Tite saca André, põe Cássio no banco e aposta em Cristian

Treinador muda o Corinthians para tentar encontrar uma formação mais sólida: time não vence há cinco partidas

Robson Morelli

26 de maio de 2016 | 09h27

Tite começa a repensar o Corinthians depois dos tropeços e pauladas nesta temporada. Refiro-me ao Paulista e Libertadores, mas principalmente à forma de jogar do time, sem a pegada de outros tempos mesmo a despeito das grandes mudanças no elenco. De teimoso, Tite não tem nada, tampouco de ‘burro’, como gostam de xingar os treinadores que trocam os pés pelas mãos no futebol. No Corinthians, Tite vai esgotando as possibilidades e as chances merecidas de cada atleta. Dois jogadores entram nesta conta: o goleiro Cássio e o atacante André, ambos sacados da equipe por opção do técnico. Cássio deu lugar a Walter. André perdeu posição para Luciano, que joga mais pelas beiradas do campo como a maioria dos reservas de ataque.

TiteDanielTeixeiraEstadao_570

Com as mudanças, Tite tenta encontrar uma forma de o Corinthians jogar melhor, com mais solidez e menos sofrimento. É preciso ter paciência. Sobre o goleiro, titular absoluto do time desde 2012, pesa o mau condicionamento físico e, talvez, a cabeça fora de sintonia e foco com o restante dos titulares. Cássio teve possibilidade de atuar fora do Brasil na última janela, na Turquia, e ainda não desistiu do projeto. Pesa, para sua decisão de ficar, o fato de o Corinthians ter sido eliminado da Libertadores, das cobranças frequentes dos torcedores no CT, com o aval da diretoria (jogador não gosta disso), e da pouca confiança no grupo no que diz respeito a títulos neste ano. No banco, ele poderá analisar todas as suas possibilidades com mais tranquilidade e calma. Sua trajetória e fama não permitem que seja reserva por muito tempo. Vai querer jogar em breve.

No caso de André, Tite esperou por uma reação do jogador o quanto pôde, e não viu no atacante nenhuma melhora após tantas cobranças. Tirá-lo do time também é um gesto de preservá-lo, das críticas e cobranças excessivas. Certamente André passará um tempo afastado, treinando mais e se condicionando melhor, físico e mentalmente, de modo a voltar mais ligado e com melhor faro de gol. O enredo lembra muito o que foi feito com Love na temporada passada, quando desembarcou no Corinthians meio gordão, vindo da China.

Tite ainda se rende ao volante brucutu, aquele que destrói e alivia para a defesa. Esse cara era Ralf. A partir de agora será Cristian, que entra na vaga deixada por Elias, na seleção brasileira. Cristian vai ser o cão de guarda que os treinadores, e agora até Tite, gostam e valorizam. O treinador chegou à conclusão de que os volantes mais habilidosos não fazem direito esse trabalho. E aí o time sofre, como tem sofrido o Corinthians. A luz veio depois de o time amargar três gols diante do Vitória, na segunda rodada do Brasileirão. Assim, com esses exemplos e mudanças, Tite busca soluções para um time que ainda está devendo e não se achou no ano, com eliminações precoces e partidas ruins no Brasileiro. Nesta quinta, às 11 horas, o reste vale ponto e um pouco de paz contra a Ponte Preta, mas os pensamentos do treinador vão muito além desse compromisso.

 


Tudo o que sabemos sobre:

Corinthians; futebol; Tite

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.