Trocar Ricardo Gareca nesse momento seria um erro da diretoria do Palmeiras

Trocar Ricardo Gareca nesse momento seria um erro da diretoria do Palmeiras

O argentino tem o elenco nas mãos e começa a fazer o bando atuar como time. A equipe perdeu do São Paulo, mas não jogou mal

Robson Morelli

18 de agosto de 2014 | 12h27

Na Rádio Estadão domingo, em conversa com o amigo e âncora Weber Lima, disse que Ricardo Gareca precisava de tempo para ajeitar o Palmeiras. De mais tempo. Disse isso antes da derrota por 2 a 1 para o São Paulo deste domingo. E continuo entendendo que o Palmeiras joga melhor a cada apresentação, com altos e baixos como qualuer equipe do Brasileiro há mais tempo junta. A segunda etapa, por exemplo, foi toda do Palmeiras, com erros e acertos, mas com a bola nos pés.

Chegaremos no resultado de 2 a 1 e no gol de Alan Kerdec, mas antes disso é preciso dizer que o time de Gareca não jogou mal, não deixou de correr, lutou até o fim, quando Kardec entrou em cena.

A cabeçada para dar ao São Paulo a vitória foi digna de um atacante de área, bom de bola, por cima e por baixo, como tem de ser um camisa 9. Esse camisa 9 é que falta ao Palmeiras. Um cara de área capaz de empurrar a bola para dentro da rede. Se for habilidoso, ótimo, melhor. Se não for, que seja então um cara para empurrar a bola de qualquer jeito, no melhor estilo Serginho Chulapa – e Serginho foi um grande atacante.

Cristaldo, o mais novo argentino do clube, entrou com vontade no segundo tempo, depois de alguns dias treinando no Palmeiras. Deu para perceber que ele, embora use a 9, é mais um jogador de ciscar pelas beiradas do campo, com raça e velocidade. Mas não é um cara de área. Esse jogador deveria ser Leandro, mas sua fase é igual à do clube: ruim.

A fase é tão pesada que a bola de Kardec, praticamente a única no segundo tempo com perigo do São Paulo, foi defendida pelo goleiro Fábio antes de bater na trave e nas suas costas para morrer no gol. Achei que o goleiro não foi bem na bola, demorou para pular nela. O mesmo Fábio que havia falhado no gol do São Paulo. Falhas que definiram o resultado.

Mas não dá para o torcedor do Palmeiras dizer que o time não procurou o gol e fez frente a um adversário bem mais forte, com melhor elenco e mais bem entrosado do que ele. Por isso ainda defendo que seria um erro trocar de técnico nesse momento. O Palmeiras, e todos devem saber disso, não vai ganhar nada neste ano, e joga para montar esse time e escapar com ele do rebaixamento.

Infelizmente para o torcedor do clube, tudo isso acontece no ano do Centenário. Paciência. Técnico nenhum faz um trabalho em três meses. E jogar apenas para ganhar e perder, sem deixar um legado ou se estruturar para as próximas temporadas, é cair na vala comum da maioria dos técnicos brasileiros. Gareca não é pior que outros técnicos que o Palmeiras poderia contratar. E leva vantagem de já estar no clube um tempinho. Qualquer outro começaria do zero.

Tudo o que sabemos sobre:

palmeiras; gareca; brasileirão

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.