Uefa cogitou excluir Real Madrid da Liga dos Campeões por causa de Florentino Péres e da Superliga

Uefa cogitou excluir Real Madrid da Liga dos Campeões por causa de Florentino Péres e da Superliga

Dirigentes da entidade, liderados pelo presidente Ceferin, no entanto, deram um passo para trás na tentativa de 'enterrar' mágoas e evitar ressentimentos

Robson Morelli

23 de abril de 2021 | 08h44

Os dirigentes da Uefa e os organizadores diretos da Liga dos Campeões da Europa cogitaram excluir o Real Madrid da semifinal da competição por causa do seu presidente, Florentino Pérez (foto), que liderou os dissidentes na Superliga. O time enfrenta o Chelsea em jogos de ida e volta. Quem passar fará a final. A ideia dos cartolas era não deixar que o time espanhol, um dos 12 da nova liga, chegasse à final. Foi pensado como uma punição a Florentino. Mas a iniciativa não foi levada adiante, como forma de pacificar e “esquecer”, se possível, as 48 horas entre o lançamento da Superliga e o seu desmoronamento com a debandada dos clubes ingleses, como o próprio Chelsea.

Foto: AFP

Aleksander Ceferin, presidente da Uefa, vai guardar essa carta na manga, como bom jogador que é e foi na condução da implosão da Superliga, com a ajuda da Fifa e de alguns políticos da Inglaterra, como o primeiro-ministro Boris Johnson, que falou que faria de tudo para não deixar a Superliga passar. Dessa forma, o Real Madrid, de Zidane e dos brasileiros Vinicius Jr. e Casemiro, vão poder seguir na competição. O Real Madrid é o maior vencedor da disputa, com 13 conquistas. Mas o recado foi dado, e certamente nada ficará por isso mesmo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.