A contradição no discurso do técnico Dunga

Estadão

19 de junho de 2010 | 14h19

“Por uma hora ficou aberto, foi visto o aquecimento, o rachão. Eu não tenho de ter o direito de ter 20 minutos para treinar bola parada? Se fosse me preocupar com as fotos… Quem escreveu [que teve jogador machucado] é quem tem de dar explicação ao torcedor brasileiro”

“Não vou vir aqui apagar fogo de vocês, alguém bateu uma fotografia, quem escreveu tem de pedir desculpa para o torcedor. Hoje vocês viram, Gilberto treinou, pede desculpa que a cada dia se tem uma história.”

DUNGA, técnico da seleção brasileira, sobre os últimos treinos fechados.

O que se deve entender do discurso do técnico, que não compreendeu a pergunta (que era sobre se o treino foi fechado por retaliação às fotos feitas pelo Grupo Estado e outros veículos)? Simples: os jornalistas, por questionarem o que acontece no time, são um problema.

Ele quer apenas um relato simples do que acontece, notícias sem críticas. Você, torcedor, quer isso? Eu não.

Tudo o que sabemos sobre:

Copa 2010Dungaseleção brasileira

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.