Bósnios usam tradutor para se comunicar no Brasil
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Bósnios usam tradutor para se comunicar no Brasil

Bósnios deixam país decepcionados com seleção e mau atendimento

Seleção Universitária

25 de junho de 2014 | 13h35

Bósnios deixam país decepcionados com seleção e mau atendimento

Em Salvador, bósnios reclamam da seleção e do Brasil (Luiz Fernando Teixeira/Seleção Universitária)

 

Luiz Fernando Teixeira – especial para O Estado de S. Paulo

SALVADOR – A seleção da Bósnia e Herzegovina não rendeu tanto quanto prometia na Copa do Mundo do Brasil. Após perder os dois primeiros jogos da fase de grupos e dar adeus de forma prematura à competição, seus torcedores estavam cabisbaixos antes da despedida contra o Irã.

Os amigos Hermina Tankovic e Adhan Cengic estavam insatisfeitos não só com a performance de Dzeko e companhia, mas também com a recepção dos brasileiros. Segundo eles poucas pessoas sabiam falar inglês ou francês, nem mesmo nos hotéis onde se hospedaram ou nos aeroportos por onde passaram. “Tínhamos que usar um tradutor no celular para que as pessoas nos entendessem”, lamenta Hermina, com uma risada nervosa. Eles acompanharam a seleção em todos os jogos do Mundial.

Segundo ela, as pessoas ignoravam coisas básicas de inglês, o que dificultou muito sua estadia no país. Eles digitavam o que queriam dizer em português e então as pessoas liam ou ouviam o audio em português para entenderem os turistas.

Adhan diz que eles foram forçados a aprender português para se comunicar. Ele pretende voltar ao Brasil para as Olimpíadas de 2016, mas conta que no seu grupo muitas pessoas estão revoltadas com a falta de preparo dos funcionários e não querem mais voltar ao Brasil.

Apesar de tudo, eles não estão chateados com os brasileiros. “As pessoas são muito amigáveis. Nós amamos Salvador, apesar de já estarmos tristes com a eliminação da Bósnia”, diz.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.