As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasília bate recorde de envio de fotos por celular na Copa

Marca foi alcançada na partida entre Brasil e Camarões

Seleção Universitária

26 de junho de 2014 | 18h39

Marca foi alcançada na partida entre Brasil e Camarões

 

Jorge Macedo – especial para O Estado de S. Paulo

BRASÍLIA – O duelo entre Brasil xe Camarões no Mané Garrincha entrou para a história por diversos motivos. Além de ser a centésima partida da seleção em mundiais, o público de 69.112 torcedores foi o maior do novo estádio até agora. E esses torcedores estabeleceram outra marca importante: nesse jogo foi batido o recorde de envio de fotos por telefonia móvel durante a Copa.

De acordo com dados do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil), foram feitas 181 mil ligações e 1,57 milhão de comunicações de dados, que inclui e-mails, imagens e mensagens multimídia. Esse número corresponde a 1,6 milhão de fotos, com tamanho médio de 0,55 MB.

O recorde é 10% maior que o registrado até então, quando 1,42 milhão de comunicações de dados foram feitas na partida entre Argentina x Bósnia, no dia 15 de junho, no Maracanã. A maior parte do fluxo de dados ainda se concentra na rede 3G, com 725 mil comunicações. A rede WiFi respondeu por 532 mil, enquanto o 4G foi utilizado 318 mil vezes, o que corresponde a cerca de 20% do total. A medida do tráfego de dados levou em consideração o período de três horas antes do jogo até duas horas depois da partida.

As chamadas de voz também bateram recorde no confronto da seleção brasileira. Foram 181,4 mil ligações, com pico entre 15h e 16h. A marca anterior também havia sido registrada na partida entre Argentina e Bósnia, quando foram efetuadas 154,7 mil chamadas. Segundo o sindicato, os dados mostram que os torcedores costumam ter comportamento típico nos jogos: utilizam os celulares para ligar quando estão fora dos estádios e postam fotos em redes sociais durante as partidas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.