Torcida lota Vale do Anhangabaú para assistir vitória do Brasil
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Torcida lota Vale do Anhangabaú para assistir vitória do Brasil

Victor Costa

30 de junho de 2013 | 20h57

Apesar dos protestos no entorno, o clima de festa agitou o público em São Paulo

Torcida paulistana comemorou o título no centro de São Paulo (Vanderson Pimentel/Seleção Universitária)

Vanderson Pimentel – Seleção Universitária – especial para o Estado

SÃO PAULO – Com o Vale do Anhangabaú lotado, 40 mil torcedores acompanharam a vitória do Brasil por 3 a 0 contra a seleção espanhola, pela final da Copa das Confederações. No Concentra SP, os paulistas começaram a chegar já na primeira partida do dia, disputa pelo terceiro lugar entre Itália e Espanha. Quando a Banda do Simonal entrou no palco, a aglomeração era ainda maior.

Na hora do jogo, o clima de apreensão não existia. Eli Brown, de 32 anos,  parecia apostar alto na seleção canarinho, “será 3 a 0 Brasil, com gols de Fred, Neymar e Hulk”, opinava o músico.

O que parecia apenas confiança, virou realidade com os dois gols marcados por Fred e outro por Neymar, que deixaram os paulistanos em êxtase. Para os torcedores, não havia diferença entre um gol brasileiro e uma bola salva pela defesa. Tudo era motivo para festa e vibração.

A euforia, que já tomava conta da torcida antes do início da partida, só aumentou com o tetracampeonato da seleção brasileira na Copa das Confederações. “Eu fiquei surpreso com o resultado, pensei que seria 4 a 0, mas está de bom tamanho”, brinca o eletricista Antônio Araújo, que ainda acredita que o Brasil precisa melhorar para vencer a Copa do Mundo.

Pensamento contrário de José Sebastião Simão, que esteve em todos os jogos do Brasil no Concentra SP. “Eu acho que está ótimo. O importante foi dar olé na Espanha”, afirma o torcedor de 58 anos.

Manifestação sem confrontos

Do lado de fora do evento, manifestantes se misturavam com torcedores (Vanderson Pimentel/Seleção Universitária)

Se a alegria tomava conta dentro do evento, fora dele havia preocupação por conta das 150 pessoas protestavam no entorno do Concentra SP. “Não que sejamos contra a Copa, mas ao invés de o dinheiro público entrar nos gastos da competição, seria mais útil se ele fosse investido em educação e saúde, por exemplo”, disse a jornalista Ana Carolina Andrade.

“Além da Copa, os protestos também são pela desmilitarização da polícia, que age com violência tanto nas manifestações como nas periferias do Brasil”, disse a estudante Melinda Rodrigues.

Não houve confronto entre os manifestantes e 230 PMs que circulavam dentro e fora do evento.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.