Clima de tranquilidade no Aterro da Praia de Iracema
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Clima de tranquilidade no Aterro da Praia de Iracema

Tobias Saldanha

15 de junho de 2013 | 23h04

Local escolhido para a Fan Fest em 2014 teve público abaixo do esperado no horário da partida

 

Cearenses aguardam o começo do segundo tempo no Aterro  (Tobias Saldanha/Seleção Universitária)

Tobias Saldanha – Seleção Universitária – Especial para O Estado

FORTALEZA – Durante a tarde ensolarada em Fortaleza, um cenário atípico para quem está acostumado com a correria da cidade. Trânsito calmo, sem congestionamentos. Os motivos? A estreia do Brasil na Copa das Confederações contra o Japão, em Brasília, no sábado.

No caminho até o Aterro da praia de Iracema, já era possível ouvir gritos e comemorações do primeiro gol da Seleção marcado por Neymar no começo do jogo.

Sinal de que a maioria dos fortalezenses optaram por ficar em casa para acompanhar a primeira partida do time de Felipão, que voltava a comandar uma competição oficial pelo Brasil depois de 11 anos.

Ansiedade para a festa

O clima no Aterro era mais de expectativa para as atrações do “São João da Copa das Confederações 2013 em Fortaleza” (evento promovido pela Prefeitura de Fortaleza em parceria com o Governo do Estado) do que com o jogo.

“Os governantes gastaram um absurdo com  essa festa, então estou aqui para desfrutar o show que foi pago com o meu dinheiro”, revelou a costureira Kênia Coelho.

Sob a companhia de sua amiga Edvânia Pontes, ambas, apesar do aparente desinteresse na partida, demonstraram confiança no Brasil e admiração por Fred. “Admiro o bom jogador que ele é e também por ser uma pessoa simples”, disse Edvânia, que é autônoma.

Elas foram unânimes em elogiar o aparato de segurança no local, porém sentiram falta do policiamento durante o trajeto até a chegarem à praia de Iracema. “Não vimos nenhuma viatura até chegarmos por aqui”, afirmaram.

Opinião compartilhada pelos amapaenses Carlos Alberto e Saladiel Pacheco. “Fortaleza é linda, mas a violência e o trânsito caótico acabam manchando a imagem da cidade”.

 

Turistas do Amapá conversando. Ao fundo, estrutura e palco onde estão previstas apresentações de quadrilhas juninas (Tobias Saldanha/Seleção Universitária)

Contando com um forte aparato de segurança pública e privada no local, o clima de tranquilidade dominou o Aterro durante os 90 minutos da partida. Famílias e turistas aproveitavam para curtir a calmaria, sentados na areia.

 

Fortalezenses aproveitam público abaixo do esperado para assistirem o jogo sentados na areia (Tobias Saldanha/Seleção Universitária)

Porém, nem a goleada por 3 a 0 fez com que a maioria dos presentes ficarem eufóricos com a vitória. “A seleção do Japão é fraca. Vou aguardar o resultado do jogo contra o México”, disse o guarda municipal Fágner Alencar.

Flanelinhas cobram pelo estacionamento

No entorno do Aterro, na Rua Monsenhor Bruno, flanelinhas cobravam R$ 10 para quem desejasse estacionar seus veículos em via pública.  Segundo um vigia de um edifício nas proximidades, em época de grandes eventos esse fatos sempre acontecem. “Em época de réveillon principalmente”, revelou um porteiro que não quis se identificar.

Tudo o que sabemos sobre:

aberturaCopa das ConfederaçõesFortaleza

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.