Exposição reúne imagens de futebol e crianças carentes
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Exposição reúne imagens de futebol e crianças carentes

Seleção Universitária

30 de maio de 2014 | 12h55

Mostra de fotógrafo francês apresenta 40 registros do futebol em periferias na África e no Brasil

Talibé, no Senegal, com a camisa do ídolo Ronaldinho é um dos personagens de Urcun na exposição Geração Futebol (Lara Monsores/Seleção Universitária)

 

Lara Monsores – especial para O Estado de S. Paulo

RIO DE JANEIRO – Muitos dos craques brasileiros deram seus primeiros chutes na bola em ‘peladas’ de várzea, de pés descalços em campos de terra, sobretudo nas periferias das grandes cidades. Mas, não é só no Brasil que isso acontece. Esse cenário se repete em outros países e serviu como objeto de trabalho e inspiração para o fotógrafo francês Pierre-Emmanuel Urcun, que expõe na mostra “Geração Futebol” dez anos de “olhares e encontros”, registrando a juventude carente de países como Senegal, África do Sul, França, Antilhas e até o Brasil. O futebol é o pano de fundo do artista para retratar essa realidade dura de sonho e realidade.

“O futebol é apenas um pretexto, meu interesse é a juventude. E o futebol dá a essas crianças o direito de sonhar. Eles ficam felizes quando jogam, eles sonham em ser Ronaldinho, em ser como seus ídolos”, relata Urcun.

A exposição, inaugurada na quinta-feira, 29, na sede da Aliança Francesa, no bairro de Botafogo, Rio de Janeiro, conta com 40 fotografias que registram a relação desses jovens com o esporte e com seus ídolos. Mostra o jogo sendo jogado de maneira completamente informal nas ruas e até mesmo nas praias do Rio. A periferia carioca não fugiu às lentes de Urcun, que vê neste trabalho uma forma de dar e receber conhecimento.

“Eu faço as fotos e ensino as crianças a fotografarem também. É sempre um aprendizado, uma troca muito importante”, conta o fotógrafo. Ele comanda uma oficina de audiovisual no Instituto Diambars, ONG fundada pelos ex-jogadores Bernard Lama, Patrick Vieira, Jimmy Adjovi-Boco e Saer Seck, que trabalha com crianças carentes no Senegal.

Um dos trabalhos recentes de Urcun foi o documentário “Amanhã É Distante” (Demain Ce Loin, 2012), onde o cineasta acompanhou quatro jovens da periferia parisiense numa viagem pela África durante a Copa do Mundo de 2010. O objetivo não era assistir propriamente ao mundial da Fifa, mas dar a essas crianças a oportunidade de conhecer novos lugares, outras pessoas e culturas. Para um dos protagonistas, o filme foi o encontro com suas raízes.

“Aristote é de origem congolesa, mas nunca tinha ido a nenhum lugar na África, por exemplo. Eles assistiram a três partidas do mundial, mas nem ligavam para isso. No final, queriam mesmo era conhecer os lugares, as pessoas”, relembra o cineasta que atravessou a África do Sul, de Cape Town à fronteira com o Zimbábue numa van com esses jovens, registrando em vídeo e em papel as histórias que encontravam no caminho. Algumas delas foram publicadas nos jornais Le Monde e L’Équipe, grandes publicações francesas.

Pierre-Emmanuel Urcun está no Brasil para divulgar esse trabalho e revelou que, em breve, jovens de Saint-Denis, periferia de Paris, irão para Salvador fazer um filme na capital baiana. “Penso em fazer algum projeto com jovens aqui no Rio também, mas é preciso planejar ainda, não tem nada de concreto”, finaliza Urcun.

A mostra “Geração Futebol” tem entrada gratuita e está exposta na Aliança Francesa de Botafogo, na Rua Muniz Barreto, 730.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: