Japão treina em cidade símbolo do futebol no DF
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Japão treina em cidade símbolo do futebol no DF

Lucas Vidigal

13 de junho de 2013 | 11h05

Rival do Brasil na estreia da Copa das Confederações faz primeiro treino com portões fechados no estádio do Gama

João Bosco Lacerda e Lucas Vidigal – especial para o Estado

BRASÍLIA – A seleção japonesa treinou pela primeira vez no Brasil no fim da tarde desta terça-feira, 12, no estádio Bezerrão, no Gama. A cidade de 150 mil habitantes onde fica a arena é a casa do time de mesmo nome, atualmente na série D do Campeonato Brasileiro. O time ganhou notoriedade nacional em 1998, quando subiu para a primeira divisão.

Porém, os cerca de 200 torcedores que tentaram acompanhar o treino a 30 quilômetros do centro de Brasília saíram frustrados. A pedido da comissão técnica do Japão, os portões ficaram fechados. Policiais militares e federais afastavam os mais insistentes que tentavam acompanhar a atividade.

Foto de João Bosco Lacerda — Seleção Universitária

Curiosos tentaram escalar muro e foram logo repreendidos por policiais militares

Samuel Freitas, 14 anos, foi um desses curiosos. Morador do Gama, ele tentou ver os lances japoneses, mas acabou impedido por um PM de assistir ao treino por cima da grade. Ainda assim, conseguiu espiar um pouco por uma pequena fresta aberta no muro. “Deu para saber quem é o Honda pela cor do cabelo amarelo”, conta.

Guilherme Damião, 12 anos, também foi com os primos até o estádio tentar acompanhar os treinamentos. O garoto, que vai assistir ao jogo de estreia entre Japão e Brasil no sábado, 15, ficou frustrado por não conseguir autógrafos da seleção japonesa no álbum de figurinhas. Mesmo assim, Guilherme acredita que sediar o treino de uma seleção internacional é positivo para a cidade. “A gente está mostrando para o mundo que o Gama também pode receber grandes times”, diz, empolgado.

Foto de João Bosco Lacerda — Seleção Universitária

Damião (de boné) foi com os primos tentar conseguir um autógrafo dos jogadores

Já os alunos de japonês do Centro Interescolar de Línguas do Gama levaram bandeiras nipônicas e faixas de incentivo e cantavam “Gama e yokoso” – bem vindos ao Gama, em português. “Gostaríamos que os alunos tivessem falado com os atletas, até para testar o idioma. Mas foi legal porque demos várias entrevistas para os repórteres japoneses”, explica a diretora Cibele Almeida.

Agentes do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) estiveram nas vias de acesso ao Bezerrão para controlar o fluxo de carros e pedestres. Não houve pontos de retenção nas vias ao redor da arena. Segundo os moradores locais, o treino não atrapalhou o funcionamento normal do Gama.

Foto de Lucas Vidigal — Seleção Universitária

Clima de tranquilidade no entorno do Bezerrão

 

Tudo o que sabemos sobre:

aberturaBrasíliaGamajapaotreino

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.