As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Rivaldo deseja revanche contra Uruguai na final da Copa

Seleção Universitária

23 de maio de 2014 | 16h07

Pentacampeão mundial diz que a final ideal seria uma vingança de 1950

 

Emanuel Leite Jr. – especial para O Estado de S. Paulo

RECIFE – Responsável por apresentar a taça da Copa do Mundo da FIFA no Recife, o pernambucano Rivaldo revelou que espera que a seleção brasileira tenha a oportunidade de se vingar do Uruguai na Copa de 2014. O ex-meia, e um dos principais jogadores na campanha do penta em 2002, considera que o Brasil chega como favorito ao título em casa. Para o melhor jogador do mundo em 1999, nada melhor do que conquistar o hexa se vingando do trauma do Maracanazo, derrotando o Uruguai, algoz da final em 16 de julho de 1950.

Rivaldo está confiante na equipe brasileira. “Espero que a campanha seja ainda melhor do que a de 2002”, disse. Para ele, a convocação de Felipão foi “ótima”. O ex-jogador, entretanto, faria apenas uma mudança entre os relacionados: Miranda. “Admiro muito o Miranda como jogador e como pessoa. É um jogador que tem se destacado muito no Atlético de Madrid”, justificou.

Final. Antes de opinar sobre sua final ideal, Rivaldo disse que o Brasil precisa respeitar todos os adversários, já que, em Copa do Mundo, todas as seleções são de alto nível. Para o craque, entretanto, a Canarinha deve ter atenção especial com quatro equipes. “Espanha, Itália, Alemanha e Argentina são as favoritas, ao lado do Brasil. São os principais adversários.”

Questionado sobre qual seleção engradeceria ainda mais a decisão do Mundial em eventual final contra o Brasil, Rivaldo ficou em dúvida. “A final ideal seria a Argentina”, respondeu em um primeiro momento, emendando logo em seguida. “Poderia ser o Uruguai. Todo mundo ia querer reverter 1950”, continuou. “Uma final contra a Argentina ou Uruguai seria fantástica”, concluiu, deixando claro que deseja fortes emoções caso a Seleção chegue à decisão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: