Torcida do Íbis recepciona o Taiti na chegada ao Recife
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Torcida do Íbis recepciona o Taiti na chegada ao Recife

Felipe resk

21 de junho de 2013 | 17h53

Fãs arriscam palpite: vitória por 18 a 0 contra o Uruguai

Segurando a bola, Mauro Shampoo, ídolo do Íbis, foi receber a seleção taitiana (divulgação Ibismania)

Felipe Resk e Pedro Costa – Seleção Universitária – especial para o Estado

RECIFE – Os 16 gols sofridos em apenas dois jogos, não tiraram a alegria da seleção do Taiti. Nem da torcida brasileira, que adotou o país da Oceania como xodó na Copa das Confederações  2013.

Já no Recife para o último compromisso na competição, no próximo domingo, 23, diante do Uruguai, os jogadores receberam o carinho de quem se identifica bastante com as derrotas. A Ibismania – projeto criado por jornalistas e publicitários para difundir a marca do “Pior Time do Mundo” – e o eterno ídolo do Pássaro Preto, Mauro Shampoo, foram ao hotel do Taiti para saudar a delegação.

A recepção teve direito a festa e reconhecimento dos jogadores, como o meio campo Chong-Hue, que posou com a camisa rubro-negra. Mesmo com as goleadas nas duas primeiras rodadas, aplicadas por Nigéria (6 a 1) e Espanha (10 a 0), a torcida do “Taitíbis” se diz confiante. “O Uruguai será humilhado pelo Taiti. Vai ser 18 a 0”, brincam.

Armador Chong-Hue acabou entrando na brincadeira (divulgação Ibismania)

Fundado há quase 75 anos por funcionários de uma empresa de tecelagem, o Íbis não disputa a primeira divisão do Campeonato Pernambuco desde o ano 2000. Em virtude dos maus desempenhos, principalmente nas décadas de 1970 e 1980, ganhou o epíteto de “Pior Time do Mundo”. Hoje, a expressão é usada no marketing do clube, como fator de visibilidade.

Em 2012, a equipe disputou a Série A2 do estadual e acabou em 13º colocado, entre 15 participantes. Na primeira divisão do Pernambucano, o Íbis participou ao todo de 677 partidas e obteve 504 derrotas. As mais memoráveis são duas goleadas por 13×0 sofridas diante do Santa Cruz, nos campeonatos de 1978 e 1981.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.