Tour da Taça chega a Amazônia e traz Rivelino como anfitrião
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Tour da Taça chega a Amazônia e traz Rivelino como anfitrião

Seleção Universitária

19 de maio de 2014 | 19h33

Tricampeão falou sobre a seleção brasileira e a Copa em Manaus

Rivelino levanta a Taça da Copa

Rivelino levanta a Taça da Copa (Bruna Chagas/Seleção Universitária)

 

Bruna Chagas – especial para o Estado de S. Paulo

MANAUS – Manhã de segunda-feira, 19, em Manaus. Muito calor e sensação térmica de 38 graus. Às 7h30 jornalistas já se amontoavam na entrada da Arena da Amazônia para a tão esperada visita do troféu mais cobiçada do mundo, a Taça da Copa. O anfitrião do dia foi Rivelino, o campeão mundial de 1970, que hoje integra o Fifa 100 – lista com mais de cem melhores jogadores vivos da história do futebol.

Rivelino e uma comissão composta por representantes da Coca-Cola e da Unidade Gestora do Projeto Copa do Amazonas discursaram e, ao final das apresentações, o jogador levantou a taça do mundo e a beijou do mesmo modo que o capitão Carlos Alberto Torres fez quando o Brasil foi tricampeão mundial, em 1970. Depois da solenidade, seguiram para o shopping da zona centro-sul, onde dezenas de pessoas já esperavam em filas para ver a taça.

Questionado sobre a atual seleção brasileira, o tricampeão afirmou que não é a melhor, mas sim uma das favoritas. “Futebol é momento. Às vezes, a gente acha que uma seleção como a da Alemanha pode vencer, mas pode aparecer uma seleção do nada e levar a taça”, disse. A respeito da escalação, o ex-jogador contou que teria levado o Robinho, que, segundo ele, seria de grande ajuda taticamente ao Neymar.

Sobre a escolha de Manaus para uma das cidades sedes do mundial, Rivelino afirmou que o problema é ter um lindo estádio e não ter um time. “Gostaria de ver um time de competência local disputando a serie A do Brasileirão.”

Não foi a primeira vez que o ídolo do futebol pisou na Amazônia. Na pré-temporada da Copa de 1970, ele já esteve na inauguração do Estádio Vivaldo Lima contra a seleção do Amazonas. “Fico muito honrado em poder erguer a taça aqui dentro. Esperamos que no dia 13 de julho seja a vez de Thiago Silva erguer essa taça”, disse.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: