De frente com o HAKA

jakemangin

15 de dezembro de 2011 | 09h00

Como você reagiria ao Haka? Imagine-se na frente de sujeitos agressivos e mal encarados fazendo um ritual e gritando na sua direção. Eles estão chamando seus ancestrais e invocando histórias do passado para acabar com você ou, pelo menos, para ganhar um jogo de rugby.

O Haka ganhou uma áurea mágica pelo mundo, se tornando conhecido, inicialmente, pela forma como foi usado pelos Maoris, na proteção da Nova Zelândia contra invasores europeus – e depois pelos All Blacks.

Há diversas lendas e histórias que rondam o Haka que são totalmente desconhecidas para quem não fala a língua Maori, mas a intenção é bem clara para todo mundo que o vê. Um desafio está para começar, uma batalha vai ser travada agora e nós, como guerreiros que somos, estamos prontos para lutar.

As reações variam bastante – e todas elas estão bem documentadas. Se voltarmos à época antiga dos All Blacks, com delgados jogadores “neozelandeses europeus”, vamos ver algo que pode ser descrito, na melhor das hipóteses, como uma dança estranha, longe de causar medo ou intimidar alguém.

 Foto: espn.co.uk

Essa história mudou assim que Wayne “Buck” Shelford, capitão invicto dos All Blacks, exigiu que o Haka fosse feito com Mana – a força interior que pode ser despertada em pessoas sagradas, segundo a cultura local. Seleções ao redor do mundo passaram a sentir a verdadeira ferocidade de 1.000 anos de cultura Maori. Shelford afirmou mais tarde que o orgulho de seu povo estava devastado e ele tinha a missão de reerguê-lo.

A mais recente reação a um Haka foi fantástica: a seleção francesa na final da Copa do Mundo de Rugby deste ano se uniu e “contra-atacou” de forma positiva os neozelandeses, dando ao desafio o status que ele merecia. Mas os franceses acabaram multados em 10 mil dólares pela atitude.

Até hoje, uma mistura de sentimentos vem à tona quando resgatamos como os times reagiram ao Haka. O Munster, da Irlanda, por exemplo, contava com quatro neozelandeses, na época em que os All Blacks passaram pelo seu estádio em uma gira. Eles também fizeram o Haka. São só todos os neozelandeses, como principalmente os irlandeses que viam a partida se encantaram com o espetáculo.

A Austrália, maior rival histórico e seleção que mais vezes se deparou com a dança, costuma usar o Haka como uma forma de energizar o time. Em outras vezes, porém, se mostra totalmente indiferente, não dando a mínima para assistir o que os All Blacks estão fazendo.

Mas nenhuma rivalidade entre países se compara quando duas equipes Maoris vão se enfrentar. A atmosfera é de pura tensão e o Haka muitas vezes se torna mais brutal do que o próprio jogo que vem a seguir.

 

Video: YouTube

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: