Rio Sevens 2012: o Sul-Americano em SETE momentos

brunoromano

13 Março 2012 | 12h14

7. Seleção masculina de rugby Sevens a um minuto do início da campanha. Jogadores brasileiros vestem por cima do uniforme a camisa do Tupi, novo símbolo lançado pela CBRu no Sul-Americano 2012.

6. Depois das vitórias sobre Venezuela (35-0) e Equador (55-0), o Brasil encarou o antigo rival Paraguai. A partida começou com este try de Putim, mas os paraguaios estavam focados e superaram o Brasil de virada por 33-5. No dia seguinte, a seleção empatou com os uruguaios (campeões em cima da Argentina) em 10-10 e acabou levando a Taça de Prata (5º lugar) ao vencer o Peru por 21-5.

5. A seleção feminina também encarou o Uruguai em partida acirrada. Foi a vitória com menor diferença de pontos (12-5), que fechou o primeiro dia com o Brasil na liderança do grupo. Superando a forte defesa das uruguaias, Maira da Ros marcou o segundo try brasileiro, garantindo a diferença para o segundo tempo. Chegando ao in-goal cinco vezes no Sul-Americano, a camisa 8 foi a artilheira em tries do Brasil.

4. Depois de sete títulos, a vontade de vencer e a alegria de vestir a camisa da seleção não diminuiu nem um pouco entre as meninas do Brasil. A seleção feminina se mostrou ainda mais madura, após difíceis excursões para o exterior, e venceu com propriedade o oitavo Sul-Americano seguido.

3. Tão improvável quanto o cabelo da ponta colombiana foi a presença das “Tucanas” na final do torneio. Depois de vencer Chile (20-7), Argentina (19-17) e Paraguai (22-0) no primeiro dia, chegaram a decisão após bater o Uruguai por 10-7.

2. Coube a capitã Júlia Sardá, atleta do Desterro (SC), abrir o caminho da vitória na final contra a Colômbia. Em um lance individual, pela ponta, usou a lateral do campo e correu para o in-goal anotando seu terceiro try no torneio.

1. Quando a vitória parecia garantida para a Argentina, o Uruguai trabalhou bem a última posse de bola. Era tudo ou nada para o Teros, que conseguiram fazer a bola chegar às mãos de Gaston Mieres. Seu sexto try no Sul-Americano valeu por todos os outros. Assim que a bola foi apoiada no chão a sirene de fim de jogo tocou – e a festa uruguaia começou no Rio de Janeiro.

Fotos: Bruno Romano