Rugby e boxe por uma boa causa

jakemangin

19 de dezembro de 2011 | 02h10

Ex All black Carlos Spencer e ex Kiwi League jogardor Awen Guttenbeil

Depois de uma noite bem sucedida na Nova Zelândia, no mês passado, quando ex-atletas e craques atuais do rugby, neozelandeses e australianos, subiram no ringue em prol do combate ao câncer, quem vai dizer que o mesmo não pode ser feito aqui no Brasil?

O boxe poderia até levantar as estrelas do nosso rugby. Quem não gostaria de assistir alguns dos melhores jogadores do Super 10 se enfrentando mano a mano? Imagine Fernando Portugal colocando sua reputação e ombro a prova pelo câncer, ou então pesos leves como Tanque e Juli dando um espetáculo digno de Manny Pacquiao ou Oscar de la Hoya.

O “Fight for Life” é um evento fantástico, que começou nas mãos de ex-jogadores de rugby, e hoje levanta milhares de dólares todos os anos para diferentes tipos de instituições de caridade. Os convidados participam de uma grande festa, em uma noite com seis lutas (de três rounds com três minutos cada), o que torna o espetáculo bem interessante.

Os boxeadores são divididos pelo peso, como acontece normalmente no esporte. O que geralmente significa uma luta entre pilares, com certeza a batalha mais divertida de todas. Invariavelmente, esses jogadores símbolo do rugby, deixam toda técnica de boxe na academia e acabam usando no ringue outras opções de combate.

Este ano, o primeiro duelo entre mulheres fez parte do evento na Nova Zelândia, com o ex namorada de um capitão All Black, Halley Hoult, e a surfista profissional Paige Hareb subindo ao ringue e mostrando que as mulheres “kiwis” são tão fortes e determinadas quanto sua reputação.

Já está provado que o boxe é um ótimo treino para o rugby, além de uma boa forma de se manter em forma fora da temporada. Basta observar o All Black Sonny Bill Williams. Se a ideia pegar no Brasil, que duelos você escolheria, entre atletas das seleções masculina e feminina do Brasil, para lutar no ringue?

 

Video: youtube

Foto: Stuff.co.nz

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: