2020 em 10 imagens
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

2020 em 10 imagens

Ano complicado, mas que rendeu bons momentos

Thiago Blum

26 de dezembro de 2020 | 16h52

Foi um ano inesquecível!

Infelizmente por um péssimo motivo.

A presença indigesta e mortal de um vírus mundial, transformou nossas vidas.

Perdemos amigos, familiares, um pouco da fé.

Precisamos respirar fundo, muito fundo para seguir em frente.

Com as modalidades esportivas e artísticas… o mesmo.

A paixão pela bola, pistas, pranchas e ondas teve que ficar em segundo plano.

O surfe, é claro, também foi atingido em cheio.

Nos afastamos da areia e do mar.

E só vimos os campeonatos retornarem nos últimos meses.

Mas o esporte mais fotogênico… nem o longo hiato evitou as grandes imagens.

Separei 10.

Cada uma com uma história peculiar.

WIGGOLLY DANTAS campeão em Pipeline

Comecinho do ano.

Comecinho do WQS.

E o Brasil dominou o ‘Volcom Pro’, evento que anualmente acontece na mítica onda havaiana.

Na decisão, 3 brasileiros.

O ubatubense levou a melhor.

Yago Dora e João Chianca completaram a festa verde e amarela em Oahu.

MARROCOS no topo de Fernando de Noronha

O coronavírus ainda não era assunto por essas bandas.

E o tour desembarcou no paraíso.

Fernando de Noronha recebeu a divisão de acesso, com etapa com status 5 mil.

Torcida presente.

Mas a festa na Cacimba do Padre foi do marroquino Ramzi Boukhiam.

MATANDO A FISSURA

Março chegou.

Com ele, a explosão da pandemia.

A quarentena de presente.

Depois o susto, era preciso desopilar.

A distância do oceano fez a criatividade aflorar.

E cada um arrumou o jeitinho para ‘dropar’ suas ondas caseiras.

ELA DISSE SIM…

2020 nos aproximou ainda mais de quem amamos.

Estreitou laços.

E o casal ‘mais surfe do circuito mundial’, oficializou.

Jesse Mendes e Tatiana Weston-Webb para sempre.

SURFE NOTURNO

Aos poucos, as coisas foram se ajeitando.

Mais ou menos, né?

A WSL criou eventos-teste para ver como funcionaria uma ‘bolha do surfe’.

Por aqui, Itamambuca, em Ubatuba, foi o palco escolhido.

A novidade é que as baterias rolaram à noite, com uma infra-estrutura toda especial nas pranchas e praia.

Foi legal de ver.

E o campeão mundial Ítalo Ferreira levou o troféu.

IAN… E YANCA

Que bom que deu tempo de rolar o circuito nacional profissional.

Foram 3 etapas, em Ubatuba/SP, Taíba/CE e Lauro de Freitas/BA.

Novos campeões brasileiros foram consagrados.

O pernambucano Ian Gouveia, representado Santa catarina levou no masculino (acima).

E Yanca Costa, cearense radicada no Rio de Janeiro, faturou entre as meninas (abaixo).

LUTO

Em um ano de milhares de mortos por Covid-19, craques nos deixaram por outras causas.

Os havaianos se despediram de duas lendas.

John Shimooka, ex-profissional e comentarista, morava na Austrália.

E Derek Ho.

Craque eterno em Pipeline e primeiro representante das ilhas a levantar o título mundial.

Um ícone e exemplo de vida dedicada ao espírito surfe.

ATÉ QUE ENFIM, JOHN JOHN

A despedida de 2020 não poderia ter sido em lugar melhor.

A World Surf League decidiu quebrar a tradição.

E ao invés de fechar o calendário, o Pipe Masters abriu a nova temporada do WCT.

Gabriel Medina chegou na decisão da etapa pela 5ª vez.

Mas o título ficou com o dono da casa.

John John Florence realizou o sonho de criança… e se tornou o dono do troféu mais desejado por todos, pela 1ª vez na carreira.

MULHERES NA HISTÓRIA

No mesmo dia, outra cena inédita.

Por causa de um ataque de tubarão em Maui, a etapa de abertura do mundial feminino foi decidida em Pipeline.

Normal?

Nada!

A disputa de baterias oficiais para elas, foi inédita no palco mais icônico do planeta.

Tyler Wright venceu!

por @thiago_blum

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.