Brasileiros brilham em Pipeline
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasileiros brilham em Pipeline

Quem caiu no mar nesta sexta... se classificou no QS 5 mil havaiano

Thiago Blum

01 de fevereiro de 2020 | 11h51

Billy Kemper – foto: WSL

O contingente do pico é de locais.

O favoritismo… também.

Mas a verdade é que o time verde e amarelo que disputa o ‘Volcom Pipe Pro’ tá fazendo um trabalho incrível.

Dos 5 atletas inscritos no evento, só Phillippe Chagas havia sido eliminado no round 3.

E todos que droparam as clássicas direitas e esquerdas da bancada de Banzai na 4ª fase, seguem vivos na competição.

Yago Dora e Jerônimo Vargas passaram para as oitavas de final com vitórias em suas baterias.

João ‘Chumbinho’ Chianca e Wiggolly Dantas se classificaram na 2ª posição.

Soli Bailey – foto: WSL

Entre os havaianos, a decepção foi John John Florence.

O bicampeão mundial estava na lista inicial do QS 5 mil de Pipeline… mas não apareceu para competir e foi substituído.

Mas o pessoal da ilha segue muito bem representado.

Billy Kemper, Imaikalani deVault, Anthony Walsh e Evan Geiselman são alguns que se mantém na trilha do pódio em Oahu.

Dos 32 finalistas da etapa, 11 são moradores da ilha mais famosa do surfe.

Só que o grande nome da sexta-feira foi um americano do continente.

Conner Coffin tirou o primeiro 10 do torneio, e chegou a 17,17 pontos, maior somatório do dia.

Campeão do ‘Volcom Pipe Pro’em 2019, o australiano Jack Robinson também está nas oitavas.

A janela do campeonato vai até dia 10.

‘SLO CAL Open’- Pismo Beach / Califórnia – foto: WSL

Brasil só 20%

Na Califórnia, a sexta-feira não foi boa para o Brasil.

Dos 5 brasileiros que entraram na água para as disputas do round 4 do ‘SLO CAL Open’, só um avançou em Pismo Beach.

O nome dele? Uriel Sposaro.

O catarinense ficou em segundo na sua bateria e garantiu presença entre os 16 finalistas que serão divididos em 4 baterias das quartas de final.

David do Carmo, Wesley Santos e Julio Cardoso foram eliminados terminando na 3ª posição de suas disputas.

Davi Toledo – o irmão do Filipinho – cometeu interferência, somou apenas 1,87 e se despediu em 4º lugar na última ‘heat’ do dia.

O QS 1000 da costa oeste americana – que também conta com a chave feminina – está programado para terminar no domingo.

Dakoda Walters voando para o título em Maroubra – foto: WSL

Em Sydney… festa local e estrangeira

Na Austrália, terminou o ‘Carve Pro’, outro QS 1000 do calendário 2020.

No masculino, final 100% australiana.

Melhor para Dakoda Walters na praia de Maroubra.

Vitória com larga vantagem: 13,40 x 5,90 sobre o compatriota Lennox Chell.

Dakoda Walters (AUS) e Sarah Baum (AFS), campeões do ‘Carve Pro’- foto: WSL

Entre as mulheres, conquista sul-africana.

Com duas acima dos 6 pontos, Sarah Baum fez 12,75 x 7,15 sobre a australiana Carly Shanahan, e somou 1000 pontos no ranking.

A próxima etapa do WQS começa na segunda-feira, na Espanha.

Com valor de 1500, o ‘Cabreiroá Pro Las Americas’ rola nas Ilhas Canárias, em Tenerife.

por @thiago_blum

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: