Chloé Calmon mira o mundo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Chloé Calmon mira o mundo

Brasileira já venceu quase tudo e está pertinho do mundial

Thiago Blum

18 de novembro de 2019 | 13h07

Campeã sul-americana.

Medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos.

Líder do circuito da WSL, com duas vitórias e um vice.

Ninguém parou Chloé Calmon em 2019.

Tomara que continue assim.

E ela sabe muito bem como quer terminar essa história.

“Estou tendo um ano incrível, 11 competições, 11 pódios e 6 títulos. Agora vou para Taiwan para a disputa do titulo mundial”.

Para chegar ao topo, precisa só de mais um resultado.

A partir de 1º de dezembro, rola a última etapa do calendário.

Você conhece bem a sensação de disputar o título. Existe algo que você acha que tenha algo que precisa corrigir para não deixar escapar o mundial de 2019?

Acho que cada ano é diferente e uma experiência nova. Me sinto mais madura em 2019 por ter competido em tantos eventos já esse ano. Eu conheço a onda de Taiwan, e levo todas as experiências anteriores como aprendizado para as próximas. Vou dar o meu melhor lá, o resultado será consequência disso.

O que falta para o Brasil ter ainda mais representantes em posições de destaque no circuito mundial de longboard ?
Um circuito de longboard mais estruturado, com mais oportunidades às categorias de base e amadoras. Este ano tivemos 2 etapas do QS do Longboard da WSL no Brasil, o que foi muito bom para a categoria, pela chance de competir em um evento internacional com atletas de alto nível.
O surfe vai estrear nos jogos olímpicos no ano que vem. A sua modalidade não vai estar lá, mas você teve uma experiência parecida neste ano. Como foi disputar o Pan de Lima, competição que apesar de ser individual, é marcada muito mais pelo conceito coletivo?

Competir no Pan foi inesquecível, nunca vivi nada igual na minha vida. Integrar a delegação brasileira, ver o surfe ao lado de outros grandes esportes e vestir o mesmo uniforme que tantos ídolos brasileiros foi mágico. A diferença que eu senti é que eu não era a Chloé Calmon, eu era o Brasil, surfava pelo meu país. Toda a união que o Time Brasil tinha, sempre torcendo pelos atletas na água, com gritos de guerra, carregando as pranchas e etc, eu não vejo em outros eventos.

Como foi ouvir o hino nacional com a medalha de ouro no peito? Muito diferente do que subir no lugar mais alto do pódio numa etapa do circuito mundial?

Ouvir o hino nacional no pódio é tão emocionante, que eu SEMPRE choro! Foi a hora que eu mais esperei. No circuito mundial não há o hino do país do atleta normalmente. É uma hora que cai a ficha de que estou surfando pelo meu país inteiro, por milhões de pessoas, e esse sentimento é inexplicável. Parece que passa um filme de toda a minha vida na minha cabeça e prova que todo o esforço e dedicação valeram a pena. Poucos minutos que viram eternos.

Nos dias de hoje é muito difícil esconder o que se pensa e o que se faz em todos os momentos. Existe algo que os fãs da Chloé não sabem, que você acha que deveriam saber?

Quem me conhece sabe que sou o mais natural possível. A maneira que eu me comporto e o que eu posto nas minhas redes sociais é verdadeiro à minha essência. Só que é uma vida exposta, e quanto mais exposição você ganha, mais olhares e atenção chegam também.

Quem são seus ídolos?

CJ Nelson e Stephanie Gilmore.

Como se concentra para as baterias? Alguma música ou concentração específica?

Sempre gosto de analisar o mar no mínimo uma hora e meia antes da minha bateria. Faço meu aquecimento, ouço uma playlist que me deixa bem animada e concentrada. Gosto de ficar longe da multidão e tirar esses momentos pré-bateria para ficar tranquila e me concentrar bem.

Melhor lugar para competir e free surfe?

Portugal, Austrália, China e Brasil

Você acha que ídolos e pessoas famosas devem se pronunciar sobre assuntos polêmicos que não estão diretamente ligados ao que fazem? Política, religião, educação, meio ambiente, etc?

Pessoalmente, não. Não é por conta da posição deles que são obrigados a expressar todas suas opiniões, ainda mais em temas polêmicos e não ligados ao que fazem.

O que os jornalistas nunca te perguntaram… e se você fosse repórter se perguntaria?

Boa pergunta… acho que já me perguntaram de tudo! Haha.

por @thiago_blum

colaboração: Lorena Orsi – assessoria B9B

Tendências: