Festa australiana em Newcastle
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Festa australiana em Newcastle

Julian Wilson vence o QS 5 mil no critério de desempate; melhor brasileiro, Ian Gouveia termina em 3º

Thiago Blum

08 de março de 2020 | 10h19

Julian Wilson celebra o título em Newcastle – foto: Thomas Bennett / WSL

O troféu do 5º evento da temporada com status de 5000 pontos da divisão de acesso ficou mais uma vez em casa.

Depois de Shun Murakami na China, Nat Young no Marrocos, Wiggolly Dantas no Havaí e Ramzi Boukhiam em Fernando de Noronha, foi a vez da estrela e ídolo Julian Wilson subir no lugar mais alto do pódio.

Justamente na cidade onde escolheu para viver atualmente.

Numa final 100% australiana e literalmente igual – com dois atletas que fazem parte da elite da WSL -ele bateu Ryan Callinan no desempate e levantou a taça do ‘Surfest Newcastle Pro, em Merewether Beach.

Mas a finalíssima absurda, em uma das diversas praias famosas do litoral de New South Wales, fica apara daqui a pouco.

Antes, é preciso falar da performance de Ian Gouveia.

Ian Gouveia terminou em 3º lugar em Merewether Beach – foto: Thomas Bennett / WSL

Único brasileiro vivo até o dia final, ele surfou demais durante todo o campeonato.

E ficou muito perto de chegar à decisão.

Depois de eliminar o taitiano Kauli Vaast nas quartas e de virar no finzinho pra cima do local Reef Heazlewood na semi, fez duelo super equilibrado diante de Ryan Callinan.

Apostou nas esquerdas, acertou dois aéreos de front marcando 8,60 e 8,50, com um total de 17,10.

Mas o australiano foi ainda melhor. Numa direita longa, com duas manobras fortíssimas, tirou um 9,50.

Em seguida, completou o placar com um 8,80.

Somatório de 18,30 – o maior de todo o evento.

Ryan Callinan (AUS) – foto: Thomas Bennett / WSL

Foi o segundo campeonato disputado por Ian em 2020.
Com a 3ª colocação, ganhou 3.250 pontos no ranking e subiu para o 7º lugar na classificação geral.
Veio a decisão, um encerramento com chave de ouro da tradicional competição em Newcastle.
Com a festa da torcida ‘aussie’ garantida, o que se viu foi um show.
Uma batalha parelha… ou melhor, idêntica.
E no fim, um resultado raro.
Empate em 14,27 no somatório.

Julian Wilson (AUS), impecável durante todo o evento – foto: Thomas Bennett / WSL

O título ficou com Julian Wilson no critério do regulamento, que diz que neste tipo de ocasião quem tiver a maior nota leva a vitória.
Julian fez um 8,50 e melhor onda de Ryan Callinan foi 7,77.
Ou seja, a taça ficaria bem em qualquer uma das mãos.
O tour se despede de Newcastle com dois triunfos australianos.
No sábado, Bronte Macaulay já havia faturado a chave feminina.
Após 13 etapas, o ranking dos homens do WQS ficou assim:
1. Wiggolly Dantas – 8.350 pts
2. Alonso Correa (PER) – 7.823 pts
3. Nat Young (EUA) – 6.948 pts
4. Maxime Huscenot (FRA) – 6.300 pts
5. Ramzi Boukhiam (MAR – 6.075 pts
6. Shun Murakami (JPN) – 5.810 pts
7. Ian Gouveia – 5.750 pts
8. Joan Duru (FRA) – 5.550 pts
9. Matt Banting (AUS) – 5.500 pts
10. Lucca Mesinas (PER) – 5.350 pts
O circo do esporte das ondas segue na Austrália.
Nesta segunda começa o ‘Sydney Surf Pro’ – 14ª parada do calendário.
Primeiro dos 8 ‘Challenger Series’ de 2020 – etapas com status ‘prime’ que valem 10 mil pontos para o campeão.
No Tahiti, paralelamente, rola o ‘Papara Pro Open’ – com pontuação mínima do tour, 1000 pontos.
por @thiago_blum

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.