Mas… o que de fato tá acontecendo?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mas… o que de fato tá acontecendo?

Tô achando estranho a falta de notícias!!

Thiago Blum

16 de dezembro de 2020 | 18h27

foto: WSL

Já são 5 dias de paralisação.

Até aí, tudo bem.

A aparição de testes positivos para Covid-19 em integrantes da equipe da World Surf League – inclusive de CEO da liga Erik Logan – é mas do que motivo para a suspensão do ‘Billabong Pipeline Masters’.

Afinal… a saúde sempre deve estar à frente dos interesses financeiros e políticos em se tratando de qualquer esporte.

Mas uma coisa realmente tem me intrigado.

Porque desde o anúncio feito no final da tarde de sexta-feira (no horário local), a WSL não se pronunciou mais nenhuma vez.

Nada de vídeo.

Nada de texto.

Nada de postagens.

5 dias sem informação.

Última postagem da WSL, na sexta-feira passada

Aí… a cabeça do jornalista começa a matutar coisas.

Os atletas continuam treinando.

As ondas estão incríveis.

Ok… sabemos que uma negociação com o governo havaiano está rolando para liberar as disputas.

Então, porque uma entidade do tamanho da WSL não se pronuncia oficialmente.

Será que algo maior está rolando??

O que se sabe é que os locais não estão gostando. E muitos não querem o recomeço do ‘Pipe Masters’.

Dizem até, que alguns acusam a WSL de “levar o coronavírus para Oahu”.

O clima não tá leve.

Fiz contato com a assessoria aqui no Brasil.

A resposta foi rápida.

‘Desde que a WSL decidiu suspender a etapa em Pipeline, por medida de segurança para resguardar atletas e staff, está trabalhado na retomada. Então, assim que tivermos novidades informaremos à imprensa. Por enquanto, o posicionamento da liga é o que foi postado na sexta (11/12)’.

foto: WSL

Posição protocolar, como esperava.

Mas é o que temos por enquanto.

Segue aquela ‘pulguinha atrás da orelha’.

E se houver qualquer novidade, é claro, não vou esconder de ninguém.

Ah… e já ia esquecendo.

O posicionamento após paralisação do evento feminino, depois de um ataque de tubarão em Maui, também foi bastante esquisito.

Também com poucas atualizações.

por @thiago_blum

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.