Não há espaço pra vacilo em decisão!
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Não há espaço pra vacilo em decisão!

5 candidatos ao título avançam direto para a 3ª fase em Pipeline

Thiago Blum

10 de dezembro de 2019 | 20h54

Banzai Pipeline, Oahu, Hawaii – foto: WSL

O cenário é esse.

Dúvida mesmo, só na hora de escolher o lado.

Direitas e esquerdas funcionaram muito bem, e o primeiro dia do ‘Billabong Pipe Masters’ entregou o show que tudo mundo gosta de ver no pico mais famoso do planeta.

E como vale o título da temporada, ninguém brincou em serviço no primeiro round.

Quem compete em Pipeline, sabe o que é preciso para alcançar o sucesso.

E que a realizar o planejado não é nada simples.

Filipe Toledo – foto: WSL

100% de concentração na areia.

E ao chegar na bancada, drop no crítico – se possível atrás do pico – tubo profundo e saída com a baforada.

Gabriel Medina conhece bem o caminho.

Finalista da etapa havaiana e atual campeão, o camisa 10 fez duas notas acima de 8 e avançou sem sustos, na bateria que também contou com Willian Cardoso e o local Imaikalani deVault, um dos classificados do Trials.

Filipe Toledo normalmente encontra mais obstáculos quando compete na onda mais temida e comentada do North Shore de Oahu.

Mas nesta terça-feira, diante do compatriota Deivid Silva e do neozelandês Ricardo Christie, o #77 surfou tranquilo.

Variou entre as esquerdas para Pipe e as direitas de Backdoor.

E assim como Medina, passou direto para a 3ª fase em primeiro lugar.

Vestir a camisa amarela no momento mais importante do ano não é tarefa simples.

Mas para Ítalo Ferreira não há desafio impossível.

Dependendo apenas de seu surfe para conquistar o título inédito, ele foi pro Havaii, treinou forte como sempre e estreou botando pra baixo nas bombas.

Ítalo Ferreira – foto: WSL

O cara de Baía Formosa caiu na mesma bateria de Billy Kemper – que ontem ganhou a competição das triagens – além de Michael Rodrigues.

O havaiano mostrou o conhecimento que se esperava e venceu a disputa.

Mas Ítalo provou que não está para brincadeira.

Afinal, na primeira fase não é preciso vencer, apenas avançar.

Mas a briga não é só dos brasileiros.

O sul-africano Jordy Smith tem experiência de sobra.

Já foi vice-campeão mundial e há dois anos comprou uma casa na frente da bancada de Pipeline.

Ele ficou atrás de Peterson Crisanto, mas assim como Ítalo, passou para o round 3.

Jordy Smith – foto: WSL

Kolohe Andino é o azarão.

Mas se existe uma coisa que não se pode negar é que regularidade é palavra de ordem para o americano.

Somou apenas 7,27 nas duas ondas, mas fez a lição de casa.

Kolohe Andino – foto: WSL

Foi só a largada.

E a previsão é que as condições continuem ideais e clássicas nos próximos dias.

Não existe lugar melhor para o encerramento do mundial da WSL.

O palco ideal para a coroação do novo campeão.

por @thiago_blum

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.