Pintou dobradinha???!!!
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pintou dobradinha???!!!

Etapas de Portugal e Sri Lanka do QS poderão ter finais brasileiras

Thiago Blum

28 de setembro de 2019 | 16h14

Yago Dora – foto: WSL

Não é novidade que o Brasil domina o surfe mundial.

No tour da elite e na divisão de acesso.

E esse fim de semana pode ser mais um daqueles com festa verde e amarela em dose multiplicada.

As duas etapas do WQS programadas para terminar neste domingo, podem ter a nossa bandeira no alto do pódio.

Mais que isso.

Em ambos há chance de dobradinha.

Samuel Pupo – foto: WSL

Em Portugal, o título do ‘EDP Billabong Pro’ vale 10 mil pontos no ranking.

Samuel Pupo e Yago Dora são os sobreviventes.

Ambos disputaram duas baterias hoje e não deixaram dúvidas sobre o mérito de chegar nas semifinais.

O irmão mais novo da família Pupo despachou o americano Ian Crane nas oitavas.

Em seguida fez o melhor somatório do dia (16,40) e deixou o sul-africano Matthew McGillivray pelo caminho.

Alex Ribeiro – foto: WSL

Yago Dora viveu emoções ainda mais fortes para estar entre os 4 melhores em Ribeira D’ilhas.

Primeiro ele passou na prova ‘nacional’ contra Alex Ribeiro.

Depois, virou uma bateria ‘praticamente’ perdida diante do sul-africano Adin Masencamp.

Faltando  segundos para o fim do confronto, Yago dropou e tirou uma nota 6,13 – 6 centésimos a mais do que precisava.

Nas semifinais, dois duelos Brasil x Austrália.

Samuel Pupo enfrenta Jacob Willcox.

Yago Dora pega Stuart Kennedy.

E aí? Aposta em Brasil x Brasil na decisão?

Rafael Teixeira – foto: WSL

Do outro lado do mundo, história bem parecida.

Rafael Teixeira e Victor Bernardo seguem firmes na trilha do troféu do ‘SO Sri Lanka Pro’.

Neste sábado, ambos garantiram presença na fase quartas de final em Arugam Bay.

Como cada brazuca está de um lado da chave, pode rolar final 100% tupiniquim por lá.

O próximo adversário de Rafa será o neozelandês Te Kehukehu Butler.

Bernardo vai pegar o francês Leo Paul Etienne.

Quem levantar o caneca ganha 3 mil pontos na classificação geral.

Mark Occhilupo – foto: WSL

Os brasileiros estão bem no evento.

Mas ninguém chamou mais atenção nas direitas do que a lenda Mark Occhilupo.

Campeão mundial em 1999, Occy estava por lá e resolveu voltar a competir.

Ficou em 3º em sua bateria do round 3, mas apesar dos 53 anos, o australiano desfilou classe e potência tradicionais em seu surfe.

Um verdadeiro presente para os locais do Sri Lanka.

por @thiago_blum

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.