Pipe Masters ‘diferente’ fica em casa!
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pipe Masters ‘diferente’ fica em casa!

O campeonato foi "estranho"; mas há muito pra se comemorar

Thiago Blum

21 de dezembro de 2020 | 10h02

John John Florence (HAW) comemora a conquista de seu 1º Pipe Masters na carreira – foto: WSL

Terminou ontem o campeonato de surfe mais famoso e desejado.

Que neste 2020 todo maluco, completou 50 edições.

O evento que sempre coroou o campeão mundial, desta vez abriu a nova temporada da World Surf League.

A inversão do calendário, foi um dos fatores que fizeram esse ‘Pipe Masters’ ser o mais esquisito desde que comecei a acompanhar o esporte.

A tradicional tensão pelo título e o estresse pela busca do último resultado para se manter na elite, não estavam presentes.

E a situação complicada da pandemia, combinada com a ausência de público na areia, contribuíram para o clima ficar mais ameno.

É claro que houve disputa… e muita!

Afinal, vencer em Pipeline é uma honraria para poucos.

Mas o reencontro com as baterias, foi muito mais um grito de alívio pelo retorno das competições, do que um afiar de garras nas rivalidades.

Até conversas e comentários sobre o desempenho nas ondas foram vistos no outside.

Gabriel Medina – foto: WSL

Mas calma.

Eu gostei do torneio.

E há muito o que falar e comemorar.

As ondas no dia das finais não foram aquelas clássicas, mas estavam boas.

E rolaram duelos marcantes.

Legal demais ver os 4 campeões mundiais que disputam a elite chegar nas semifinais.

A primeira teve Kelly Slater, 11x campeão do tour e maior vencedor da etapa de Oahu, contra o bicampeão John John Florence, local do pico, que até então jamais havia vencido no quintal de casa.

Ítalo Ferreira – foto: WSL

Em seguida, o confronto 100% brasileiro.

Ítalo Ferreira x Gabriel Medina.

Reencontro um ano após a final épica, valendo o título mundial de 2019.

Mesmo depois de bater a cabeça e sentir uma lesão nas costas durante as quartas diante do francês Jeremy Flores, Ítalo foi para a água.

Um guerreiro… como sempre.

Mas Medina deu o troco e avançou para a decisão.

Final que virou um capítulo a parte do campeonato.

John John x Medina.

Bicampeões mundiais frente a frente.

5ª final do brasileiro em Pipeline nos últimos 7 anos.

A 3ª da carreira do havaiano.

John John Florence (HAW) – foto: WSL

Aqui, vale o registro.

Como chegou no domingo já classificado para as quartas de final, o havaiano entrou no mar uma vez menos que o brasileiro.

E nas duas atuações que fez antes do confronto decisivo, sobrou e deu show.

Contra o italiano Leonardo Fioravanti, somou 17,67.

Na sequencia, aumentou o placar diante de Kelly Slater: 18,16.

Em todas as outras baterias do dia, ninguém chegou sequer aos 14 pontos.

Por isso, entrou como favorito.

Mas aí, a história foi um pouquinho diferente.

Medina pegou as primeiras ondas, saiu na frente e segurou a vantagem quase todo o tempo.

John John foi paciente.

Esperou até os minutos finais e alcançou a virada.

Placar final apertado: 11,77 x 11,10.

E enfim… o ‘golden boy’ do Havaí venceu o ‘Pipe Masters’.

Agora, é o 7º atleta que faz parte da atual elite, com título em Pipeline.

Ao lado do americano Kelly Slater, dos brasileiros Adriano de Souza, Gabriel Medina e Ítalo Ferreira, do francês Jeremy Flores, do taitiano Michel Bourez e do australiano Julian Wilson.

Largou na frente no ranking.

E como sempre, é o cara que pode atrapalhar a vida dos brasileiros no World Tour.

foto: WSL

Para os brasileiros, foi um bom começo de circuito.

Vice para Gabriel, 3º lugar para Ítalo.

Além deles: Miguel Pupo, Jadson André, Peterson Crisanto e Caio Ibelli foram eliminados nas oitavas e largaram com o 9º lugar.

Filipe Toledo, Yago Dora e Deivid Silva pararam no round 3, ficando com a 17ª posição,

Adriano de Souza e Alex Ribeiro caíram na repescagem, com a 33ª colocação.

Miguel Pupo, 9º colocado em Pipeline – foto: WSL

A próxima parada do mundial é ali pertinho.

Em Sunset Beach, que continua no calendário da WSL, mas agora novamente com status na elite.

Uma onda completamente diferente.

Daqui a um mês, nos dias 19 a 28/1.

Valeu a espera!

It’s ON!!!!!!!!

por @thiago_blum

Kelly Slater (EUA), 3º colocado em Pipeline – foto: WSL

 

Jack Robinson (AUS), 9º colocado e o visual do line-up – foto: WSL

 

Ítalo Ferreira, 3º colocado em Pipeline – foto: WSL

 

John John Florence (HAW) – foto: WSL

 

John John Florence (HAW) finalmente conquistou o Pipe Masters – foto: WSL

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.