Quem vai parar o havaiano?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Quem vai parar o havaiano?

John John vence em Margaret River e dispara no ranking

Thiago Blum

05 de junho de 2019 | 16h51

John John Florence: campeão pela 3ª vez em Margaret River

A temporada começou como se esperava.

Afinal, poucos apostam em um campeão mundial de 2019, fora de digamos, 5 nomes.

Nas duas primeiras etapas, Gabriel Medina, Filipe Toledo, Jordy Smith e principalmente Ítalo Ferreira, mostraram as garras.

Na parada #3 em Keramas, todos escorregaram, inclusive o líder.

Ok… descarte de resultado número 1, ativado.

Aí veio Margaret River.

Pico onde se sabe, John John Florence é quase imbatível.

Ou seja, quer brigar pela lycra amarela? Vai precisar derrubar o cara.

Só que Gabriel Medina e Filipinho foram eliminados ainda na 3ª fase, quando a competição foi para os tubos pesados de ‘The Box’.

Ítalo foi atropelando…. até encontrar o havaiano nas quartas de final.

Uma derrota que pode ser crucial na corrida pelo título, já que os confrontos diretos são emblemáticos, na pontuação e no psicológico.

Caio Ibelli foi o melhor brasileiro e só parou na semifinal

Caio Ibelli foi o melhor brasileiro nas direitas de Margaret.

Derrubou gigantes e coube a ele tentar deixar o ranking mais equilibrado.

Fez uma bateria duríssima contra John John e faltou pouco.

Na decisão, o camisa 12 bateu o americano Kolohe Andino, novo 2º colocado na classificação geral, mais de 5600 pontos atrás do dono da temporada.

Próxima parada: Saquarema, Rio de Janeiro.

Evento que para os brasileiros, tem que ser a virada de página na corrida pelo caneco.

Na despedida da Austrália, a performance do time brasileiro foi idêntica à campanha do campeonato anterior em Bali.

Os 11 atletas chegaram no round de 32.

Só 2 avançaram até as quartas e apenas um disputou a semifinal.

Ítalo Ferreira estreou em ‘The Box’ como um experiente

Vamos ao desempenho dos brasileiros, começando com o bicampeão mundial:

Gabriel Medina – 17º lugar: Botou pra baixo nas bombas de ‘The Box’, mas perdeu para Caio Ibelli em um duelo parelho. O resultado fez o camisa 10 despencar para o 12º lugar no geral

Yago Dora – 17º lugar: Depois de vencer a bateria de estreia com um mega aéreo, não se encontrou nos tubos. Eliminado pela terceira vez seguida na 3ª fase, ocupa a 22ª colocação no ranking.

Willian Cardoso – 17º lugar: Roteiro parecido com o do Yago. Fez o que pode, mas caiu diante de Kelly Slater. Está em 18º na temporada.

Jesse Mendes – 17º lugar: Foi atirado nos tubos. Conseguiu uma nota boa, mas faltou uma segunda para vencer o americano Conner Coffin. Subiu uma posição e vem ao Brasil como 25º do ranking.

Filipe Toledo – 17º lugar: Favorito se a etapa fosse toda disputada no ‘Main Break’, o #77 parou nas bombas de ‘The Box’. Perdeu para o convidado Jack Robinson, único local do pico, que somou mais de 18 pontos na bateria.

Caio Ibelli dropou as bombas de ‘The Box’ como se estivesse no quintal de casa

Michael Rodrigues – 17º lugar: Chegou em Margaret River embalado após o 3º lugar na Indonésia. Mas foi outro que sentiu a falta de treinos no local de competição quando o evento foi para ‘The Box’. Caiu 3 posições e ocupa a 17ª posição no geral.

Jadson André – 17º lugar: Arrojado como sempre. Se jogou literalmente na bancada para conseguir o melhor resultado da temporada, mas parou diante de Julian Wilson. Está em 33ª posição.

Deivid Silva – 17ª posição: Foi o único do time eliminado na 3ª fase que perdeu no pico principal da etapa. Caiu diante do australiano Ryan Callinan e caiu 3 posições na corrida da WSL.

Peterson Crisanto – 9º lugar: Um estreante que evolui a cada campeonato. Venceu a bateria de estreia, eliminou o francês Joan Duru na sequencia nos segundos finais e arriscou tudo contra Julian Wilson. Segunda vez que avança até as oitavas, resultado que o deixa em 18º no ranking.

Ítalo Ferreira – 5º lugar: Atitude e qualidade de quem quer de fato brigar pelo título mundial. Foi o guerreiro de sempre, independente do local da disputa. Desafiou os tubos com categoria e atacou as ondas até em cima da bancada rasa. Só parou no campeão da etapa e se manteve em 3º na lista dos melhores do ano.

Caio Ibelli – 3º lugar: Todos os adjetivos seriam poucos para avaliar a performance dele no oeste australiano. Mais fácil ir direto aos fatos. Eliminou na sequencia Gabriel Medina, Kelly Slater e Jordy Smith. E só ficou 0,5 ponto atrás de John John Florence na semifinal. Tudo isso, justamente no local onde havia se machucado no ano passado. Uma lesão que o deixou fora do resto da temporada 2018. Caio subiu 11 posições na tabela, está em 20º, dentro da zona de reclassificação.

O tour chega por aqui a partir de 20 de junho.

E a torcida fica ainda maior.

por @thiago_blum

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.