Repercussão imediata… e contrária…
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Repercussão imediata… e contrária…

Atletas desabafam após a reeleição de Adalvo Argolo na presidência da CBSurf

Thiago Blum

30 de dezembro de 2020 | 22h33

reprodução / Instagram

Era uma eleição polêmica.

E muito esperada.

Atletas, ex-atletas e pessoas ligadas ao surfe brasileiro se manifestaram.

A imensa maioria – pra não dizer a totalidade – que abriu ideias nas redes sociais, se colocou contrária à gestão de Adalvo Argolo.

E duas chapas de oposição foram formadas.

Originalmente marcada para o dia 18/12, a eleição foi suspensa pelo Tribunal de Justiça ba Bahia, após 6 federações estaduais (SE, PB, ES, PE, AL e CE) indicarem possíveis irregularidades no processo.

Uma das questões era o tema sobre as federações aptas a votar. De acordo com o edital da entidade, apenas AL, CE, BA, MA, PA, PB, RJ e SC poderiam participar, já que outras tinham pendências com a Confederação.

De acordo com a CBSurf, as solicitações judiciais foram atendidas, e depois de adiamentos, a assembleia foi marcada para esta quarta-feira (30).

A ‘Nação Surfe Brasil’, formada pela dupla Ricardo Bocão/Paulo Moura, já havia anunciado em nota que não participaria do pleito, além de tentar anular a votação na justiça.

Então, apenas a ‘Projeto Surfa Brasil’, com Jojó de Olivença/Brigitte Mayer participou como oposição.

Com 13 votantes (somando federações – BA, MA, PA, RJ e SC e 8 representantes dos atletas), Adalvo foi reeleito por 8×5.

reprodução / Instagram

A vitória do atual presidente, e sua permanência nos próximos 4 anos, rendeu comentários dos atletas.

Poucos deram as caras.

Um deles, o campeão mundial Ítalo Ferreira, que segue no Havaí.

“Passaram muito tempo falando da má administração, do continuísmo, da necessidade de renovação e reciclagem. Hoje tiveram a chance de mudar e nada!˜, desabafou o potiguar.

reprodução / Instagram

Filipe Toledo, que já havia se colocado contrário à reeleição, também não se calou.

“Infelizmente, por isso que nosso esporte não vai pra frente no Brasil. Por pessoas como essa que está na presidência, a gente… deixa a desejar. O surfe nas categorias de base se acabando, o feminino cada vez pior e os campeonatos profissionais no Brasil, também indo pro saco. É bem triste estar acompanhando isso, no momento que a gente queria uma mudança, uma renovação, algo que poderia trazer um benefício maior para o esporte. E a gente deixou acontecer isso de novo, tá lá quem a gente menos queria para a presidência. Ele voltou e vai continuar fazendo nada”.

reprodução / Instagram

O catarinense Willian Cardoso também demonstrou sua indignação.

“Essa é a maior vergonha do nosso esporte. E ainda ser aceita por atletas”.

Em um vídeo, Panda disse “a gente fez um grupo com mais de 70 atletas do masculino, votando nas outras duas chapas, do Jojó e do Bocão. E os nossos representantes, por tudo que indica, Bruno Galini e Wiggolly Dantas acabaram votando no Adalvo, porque os números não estão batendo”.

reprodução / Instagram

Yago Dora, Jesse Mendes, Matheus Navarro, Thiago Camarão, Rafael Teixeira e Silvana Lima aumentaram o coro.

Até o fechamento desta matéria, nenhum atleta havia postado ou gravado mensagem a favor da chapa da situação. Ou algum apoio público ao presidente Adalvo Argolo.

Veremos o que vem por aí.

Sigo de olho!

por @thiago_blum

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.