Reta final em Newcastle
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Reta final em Newcastle

Alejo Muniz e Samuel Pupo estão entre os 24 melhores; mais 4 brasileiros podem avançar

Thiago Blum

05 de março de 2020 | 10h24

Lucas Vicente – foto: Thomas Bennett / WSL

Mais um dia longo em Merewheter Beach, litoral de New South Wales.

Só com disputas masculinas no QS 5 mil da Austrália.

E metade dos 24 finalistas do ‘Surfest Newcastle Pro’ foram definidos.

Entre eles, 2 brasileiros – por enquanto: Alejo Muniz e Samuel Pupo.

A quinta-feira começou com o fechamento do longo ‘round of 96’, que reservou ótimas performances… mas também algumas decepções do time verde e amarelo.

Começando pelos destaques.

Krystian Kymerson, Lucas Vicente, Victor Bernardo e Samuel Pupo venceram sua baterias, em disputas com presenças de peso como Stuart Kennedy, Patrick Gudauskas e Sebastian Zietz.

Adriano de Souza estreou na temporada com o surfe de sempre e passou para a 3ª fase na 2ª posição.

Mesmo caminho de Ian Gouveia e João Chianca.

Adriano de Souza – foto: Thomas Bennett / WSL

Mas como disse, sobraram resultados inesperados para os brazucas.

4 atletas com experiência de WCT foram eliminados logo na primeira queda do evento.

Jesse Mendes, Jadson André, Tomas Hermes e Michael Rodrigues.

Vale lembrar: deles, só Jaddy está na elite em 2020.

Outra derrota sentida foi de Weslley Dantas, vice-campeão em Fernando de Noronha e que começou a 13ª etapa do calendário na 12ª posição do ranking da divisão de acesso.

Lucas Silveira e Marco Fernandez também se despediram precocemente.

Michael Rodrigues – foto: Thomas Bennett / WSL

Em seguida, a organização colocou no mar os primeiros 6 duelos do ‘round of 48’.

Alejo Muniz e Samuel Pupo não deram mole e passaram com vitórias convincentes.

Só que houve mais baixas na briga pelo título.

Campeão nesta praia em 2019, Alex Ribeiro parou a fase 3.

Assim como o campeão mundial de 2015 Adriano de Souza, Marcos Correa e Victor Bernardo.

Pois é… o torneio é do WQS, mas as batalhas são tão duras como na divisão principal da WSL.

O nome do dia foi Julian Wilson, que somou 16,83 e dominou as ondas que conhece muito bem.

Ryan Callinan (AUS) – foto: Thomas Bennett / WSL

Veja quais são os últimos confrontos do round 3:

heat 7: Kauli Vaast (TAH), Kyuss King (AUS), Stuart Kennedy (AUS) e Lucas Vicente

heat 8: Krystian Kymerson, Ian Gouveia, Ezekiel Lau (HAW) e Sebastian Zietz (HAW)

heat 9: Ethan Ewing (AUS), Adin Masencamp (AFS), Reef Heazlewood (AUS) e Oney Anwar (IND)

heat 10: Soli Bailey (AUS), Jordan Lawler (AUS), Rio Waida (IND) e Morgan Cibilic (AUS)

heat 11: Nicholas Squiers (AUS), Matt banting (AUS), Beyrick De Vries (AFS) e João Chianca

heat 12: Nat Young (EUA), Jackson Baker (AUS), Ryan Callinan (AUS) e Crosby Colapinto (EUA)

Vale 5000 pontos para o campeão.

Mason Ho entocado para o 10 em Rangiroa – foto: Andrew Nichols / WSL

Teve nota 10

Simultaneamente, rola na Polinésia Francesa, o ‘Air Thaiti Rangiroa Pro’.

O evento com status 1000 do WQS já está nas quartas de final.

4 locais e 4 havaianos seguem na trilha do título.

Mason Ho (HAW) é o cara mais famoso e principal favorito da lista.

Nesta quarta, ele tirou o primeiro 10 do torneio.

O campeão deve ser coroado nesta quinta.

por @thiago_blum

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.