Viva o Nordeste
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Viva o Nordeste

Já faz tempo que a região que revelou Ítalo Ferreira é destaque no surfe nacional

Thiago Blum

28 de dezembro de 2019 | 23h49

O título de Ítalo Ferreira fez grande parte do país ‘conhecer’ as ondas de Baía Formosa.

Mas o Rio Grande do Norte e muitos outros estados nordestinos fazem parte do mapa do surfe brasileiro há várias décadas.

E claro, sobram atletas com histórias de sucesso nacional e internacional.

No próprio RN, temos Jadson André, parceiro do campeão na elite da WSL.

Joca Júnior – foto: divulgação

De lá saiu também Joca Júnior, campeão brasileiro de 1996 e ex-integrante do circuito mundial.

A caminho do sul, passando a fronteira, chegamos na Paraíba.

Terra de um dos ícones do nosso esporte em todos os tempos.

Campeão mundial amador em 1988, Fábio Gouveia desbravou o mundo e abriu de vez as portas do Brasil no cenário global.

Fábio Gouveia – foto: divulgação

E levou a bandeira verde e amarela aos 4 cantos do planeta.

Não por acaso, o legado do Fabuloso foi seguido dentro de casa.

Hoje, o filho Ian – nascido em Recife – é um dos principais representantes do atual ‘Brazilian Storm’.

Carlos Burle e Eraldo Gueiros também são de Pernambuco.

Eraldo Gueiros e Carlos Burle – foto: divulgação

Uma dupla que fez parte do top 10 do país durante a década de 80, e que desde sempre foi referência quando o mar ficava grande.

Quer mais campeões?

Se preferirmos viajar da casa do potiguar que tomou conta das manchetes nos últimos dias, em direção ao norte, desembarcamos no Ceará.

Pablo Paulino atropelou a concorrência e levantou o bi mundial júnior em 2004 e 2007.

Marcelo Nunes, Tita Tavares e Silvana Lima também cresceram nas areias do litoral cearense.

E por aí vai.

Jojó de Olivença – foto: divulgação

Na Bahia?

Como esquecer do grande Jocélio de Jesus, que saiu de Olivença para conquistar, entre outros troféus, os do Campeonato Brasileiro em 1988 e 1992.

Alagoas e Sergipe não devem ficar atrás.

Com certeza esqueci de vários nomes.

Mas ao contrário do que todo mundo faz hoje, resolvi não dar um Google para encher a lista.

Tita Tavares – foto: divulgação

Para mim, a memória viva destes 40 anos é a maior prova de que a região – muitas vezes desprezada por grande parte dos nossos governantes – é e sempre foi celeiro de craques.

Do surfe, do futebol, do basquete, da literatura, da música…

Precisamos de exemplos.

E a presença de Ítalo Ferreira no topo do mundo, com certeza trará outros vencedores, dentro e fora d’água.

por @thiago_blum

colaboração: Pedro Blum

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.