Logan Tom acaba com alegria do Brasil e EUA levam o Grand Prix

Estadão

28 de agosto de 2011 | 06h35

O vôlei feminino brasileiro tem uma nova algoz. No Grand Prix, o Brasil conseguiu deixar a russa Gamova pelo caminho, mas foi parado pela norte-americana Logan Tom na decisão. O time de José Roberto Guimarães perdeu a invencibilidade justo na final do torneio, em Macau, na China, e os Estados Unidos levantaram o troféu após vitória por 3 sets a 0, com parciais de 26/24, 25/20 e 25/21.

Os EUA faturam o bicampeonato e se tornam definitivamente os grandes perseguidores do Brasil no Grand Prix. Agora, são oito títulos da equipe verde e amarela contra quatro das norte-americanas.

Apesar do resultado negativo, é impossível esquecer a boa campanha da seleção brasileira na temporada. Foi somente a primeira derrota em 24 confrontos no ano, e o Brasil precisa olhar com otimismo para o futuro. Em 2011, ainda disputa o Sul-Americano e a Copa do Mundo, competições que dão vagas diretas aos Jogos Olímpicos de Londres 2012.

Se é preciso tirar lições das derrotas, fica claro após o Grand Prix que, apesar do excelente elenco, falta experiência ao grupo brasileiro. Sem as ponteiras Paula Pequeno e Mari na decisão, faltou aquela jogadora para colocar a bola embaixo do braço, gritar e incentivar as companheiras.

O Brasil foi sucumbindo aos poucos na final, e Zé Roberto não sabia o que fazer. Em determinado momento do terceiro set, chegou a trocar meio time, mas não obteve sucesso.

Logan Tom passava pelo bloqueio brasileiros com pancadas, largadinhas, usando o bloqueio e de todas as maneiras possíveis. Do lado brasileiro, fazer um ponto parecia a coisa mais difícil do mundo. A levantadora Dani Lins e a central Fabiana estiveram em péssima jornada.

Thaísa, destaque do Brasil na competição, inexplicavelmente recebeu pouquíssimas bolas. A jovem Natália ainda brilhou em alguns momentos do jogo, mas faltou experiência para saber variar os lances.

Agora, é colocar a cabeça no lugar, respirar e pensar nos próximos passos. O time verde e amarelo está de parabéns pelo que fez até a final do Grand Prix.

O torneio ainda terminou com uma surpresa: na decisão do terceiro lugar, a Sérvia ficou com o bronze ao passar pela Rússia por 3 a 0 (25/21, 25/20 e 25/16).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.