1.000 GPs: Ferrari sempre fiel

1.000 GPs: Ferrari sempre fiel

Brasileiros lideram IMSA e se destacam na Fórmula Regional Europa.

Wagner Gonzalez

16 de abril de 2019 | 08h33

Tradição pode ser um valor bastante caro em qualquer atividade humana, ou igualmente desprezível. O Grande Prêmio da China mostrou os dois lados dessa moeda quando analisados os quatro primeiros colocados e suas respectivas equipes Mercedes e Ferrari. Se na F-1 nenhum brasileiro esteve envolvido na disputa da milésima corrida da categoria, em outras partes do mundo vários deles foram protagonistas: nos Estados Unidos Pipo Derani e Felipe Nasr assumiram a liderança isolada do Weathertech Sportscar Championship e, na França, Enzo Fittipaldi estreou na Fórmula Regional Europa com três consistentes segundos lugares na rodada de estréia dessa categoria, outrora conhecida como F-3.

Felipe Nasr (E) e Pipo Derani: líderes isolados na IMSA (José Mário Dias)

As escolhas da Ferrari

Não é desde domingo que a Ferrari opta por privilegiar um piloto, ou sequer é a primeira equipe a usar de tal prática para defender seus interesses. Tampouco será a última vez que isso acontece. Ocorre que ao contar com Sebastian Vettel – piloto maduro e com quatro títulos consecutivos em seu currículo -, e Charles Leclerc – um jovem em plena ascensão e sobre quem pairam poucas dúvidas do seu potencial -, a famosa Scuderia revive uma situação bastante conhecida dos brasileiros (para quem não se lembra: Schumacher x Barrichello e Alonso x Massa) com a diferença que desta vez o piloto abençoado não traduz essas graças em vitórias ou se apresenta como ameaça aos adversários da Mercedes.

Mercedes fez três dobradinhas em três provas. Hamilton Lidera campeonato (Mercedes)

Vettel não desaprendeu a guiar, isso é inquestionável, mas frente a Leclerc não mostra a garra de outros tempos. Para uma F-1 mais emocionante é mais interessante ter um jovem piloto a bordo de um carro vermelho assediando líderes consolidados do que apostar que as coisas vão melhorar no próximo GP e um outro alemão se tornará, enfim, penta-campeão a bordo de uma rossa. A Scuderia fez sua escolha, tomara que dê certo, seja lá qual for a justificativa para tal. Enquanto isso a Mercedes segue navegando com seus Panzer des Krieges e em três corridas conseguiu registrar três dobradinhas, com duas vitórias de Lewis Hamilton e Valtteri Bottas. Não está longe onde essa superioridade acachapante pode se tornar um prejuízo intangível para a marca: se continuar assim não haverá Leclerc suficiente que possam consolidar a supremacia técnica do time alemão como um fator de atração da F-1.

Albon segue surpreendendo em sua temporada de estreia na F-1. Foi décimo na China (Red Bull/Getty Images)

Como que a amenizar tal cenário, o anglo-tailandês Alexander Albon vai se impondo sobre o mais experiente Daniil Kvyat na Toro Rosso: largou em último após ter destruído seu carro na segunda parte da prova de classificação e terminou em décimo. O australiano Daniel Ricciardo finalmente conseguiu completar sua primeira prova pela Renault ao liderar o segundo pelotão da prova e receber a bandeirada em sétimo lugar, atrás de Pierre Gasly, outro nome que interrompeu um frustrante início de temporada. O resultado completo do GP da China você encontra aqui.

Regularidade verde-amarela 

Castro Neves e Felipe Nasr disputam posição no início da prova da IMSA em Long Beach (Michael Levitt/IMSA)

Estabelecida este ano, a parceria Pipo Derani-Felipe Nasr começa a pagar bons dividendos na disputa da IMSA: apesar de problemas durante um pit-stop na corrida mais curta da temporada, a combinação do sexto lugar conquistado e o décimo-oitavo de Jordan Taylor e Renger can der Zande – com quem dividiam a liderança do campeonato após duas etapas -, isolou a dupla brasileira no primeiro lugar da tabela de pontos. Nessa classificação Pipo e Felipe somam 92 pontos, contra 90 de Helio Castro Neves/Ricky Taylor e 89 dos portugueses João Barbosa/Filipe Albuquerque – vencedores em Long Beach -, e 88 de van de Zande/Jordan Taylor.

Helinho está na vice-liderança e é um dos protagonistas da categoria (Phillip Abbott/IMSA)

Tal equilíbrio promete boas disputas para o restante da temporada, especialmente quando se compara a regularidade dos Cadillac DPi da equipe Action Express – que inscreve Derani, Nasr, Albuquerque e Barbosa -, e a tradição vitoriosa de Roger Penske, responsável pela preparação dos Acura de Castro Neves/Wayne Taylor e Juan Pablo Montoya/Dane Cameron; esses carrosem breve se estabelecerão se estabelecer como segunda força da categoria, à frente dos Mazda administrados outro grande nome das provas de resistência, Reinhold Joest. A próxima etapa será disputada dia 5 de maio Mid-Ohio, circuito localizado na cidade de Lexington.

Enzo vai de grão em grão

Enzo Fittipaldi: estreia consistente garantiu vice-liderança na Formula Regional Europa (ACI)

Uma pole position e três segundos lugares é o balanço positivo de Enzo Fittipaldi em sua prova de estréia na Fórmula Regional Europa, categoria que usa carros da antiga F-3 e bem amis potentes que o F-4 que ele piloto rumo ao título do Campeonato Italiano de 2018. Com esse balanço ele ocupa a vice-liderança do torneio promovido pelo Automobile Club d’Italia (ACI), que prossegue dia 3 de maio em Vallelunga, próximo a Roma. Até lá o brasileiro soma 61 pontos, contra 68 do dinamarquês Frederick Vesti (seu companheiro de equipe) e 36 do mineiro Igor Fraga.

Nas categorias de base o destaque do fim de semana foi para Enzo Fittipaldi: estreando em uma categoria cujos carros são mais sofisticados e potentes, ele conseguiu uma pole position e três segundos lugares na abertura do Campeonato da Fórmula Regional Europa. Pietro soma 54 pontos contra 65 do líder Frederik Vest. O mineiro Igor Fraga ocupa a quarta posição no certame, com 33 pontos.

Novo Fórmula Renault estreia sob chuva

Collet foi sétimo na segunda prova sob chuva, em Monza (Renault Sport)

Poucos circuitos no mundo permitem médias horárias tão altas quanto a tradicional pista de Monza, traçado construído na primeira metade dos anos 1900 em meio ao Parco Reale desta cidade situada nos arredores de Milão. O tempo instável que reinou sobre o autódromo italiano no fim de semana, porém, amenizou essa característica na abertura da Fórmula Renault Eurocup 2019, prova de estreia dos novos carros da categoria: um chassi Tatuus T318, projetado para a F-3 e também usado na F-Regional Europa. A principal diferença entre ambas é a combinação motor/pneus de cada uma: Renault 1.8 turbo/Hankook em uma e Alfa Romeo aspirado/ Pirelli em outra. O formato das corridas também muda: rodada de duas provas para a primeira e três para a segunda.

Caio Collet e João Ribeiro, os dois brasileiros que disputam a Eurocup, não foram bem na prova de Monza, que teve uma corrida disputada no seco e outra sob chuva; nesta última os organizadores optaram por manter o Safety Car na pista na maior parte dos 30 minutos de corrida. Na soma dos resultados Collet e Vieira voltaram para casa com seis pontos cada um e dividindo a décima colocação no campeonato que é disputado por 22 pilotos de 15 países. O líder é o francês Victor Martins (30), seguido pelo italiano Leonardo Morandi (26) e pelo russo Alexander Smolyar (25). O campeonato prossegue dia 12 de maio, em Silverstone, Inglaterrra.