4 brasileiros nas 12 Horas de Sebring

4 brasileiros nas 12 Horas de Sebring

Derani, Fittipaldi, Negri e Senna confirmados. Piso do circuito é castigo para chassi. Evento reúne 4 campeonatos.

Wagner Gonzalez

17 de março de 2017 | 15h21

 

 

Pipo Derani (vencedor da edição de 2016), Christian Fittipaldi, Oswaldo Negri e Bruno Senna formam o quarteto brasileiro que participará das 12 Horas de Sebring, segunda etapa da principal série promovida pela IMSA, neste fim de semana. O circuito localizado cerca de 140 km de Orlando, cidade que concentra significativa comunidade de brasileiros. O traçado de Sebring usa um antigo aeródromo e tem um piso bastante irregular, situação que cobra bastante da resistência dos chassis dos carros e dos pneus.

 

 

Os carros inscritos nas duas principais categorias (IMSA)

Os carros inscritos nas duas principais categorias (IMSA)

 

A lista de inscritos para a prova de 12 Horas, segunda etapa do IMSA Weather Tech SportsCar Championship e para o Tequila Patrón North American Endurance Cup reúne 46 carros, cada um deles a ser conduzido por três pilotos. Mais do que o número de pilotos inscritos e vários eventos preliminares de suporte, vale destacar as ações mercadológicas de um patrocinador de campeonato. Além de apoiar a promoção do certame a Tequila Patrón, onde corre Pipo Derani, também patrocina uma equipe de primeira linha, algo que no Brasil é tratado como impensável.

Nesta prova o time terá a participação de Bruno Senna, inscrito com o Nissan-DPI número 22; Derani usa um carro igual, identificado pelo número 2. Christian Fittipaldi, um dos grandes nomes do cenário Endurance nos Estados Unidos, vai como o Cadillac-DPI número 5 e Oswaldo Negri, que também está radicado nesse país há longa data, é um dos pilotos do Acura NSX número 86. Além dos dois torneios já citados a competição é válida também para o Continental Tire SportsCar Challenge (carros esportivos fabricados em série) e o IMSA Prototype Challenge.

Tudo o que sabemos sobre:

12 Horas de Sebring 2017

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.