F-1 2022 desabrocha vermelha

F-1 2022 desabrocha vermelha

Domínio de Leclerc e Ferrari altera status quo da categoria. Resultado com seis equipes nos Top 10 sugere temporada equilibrada.

Wagner Gonzalez

22 de março de 2022 | 08h00

Semana começou com todas as luzes voltadas para a dobradinha da Ferrari no Bahrein (Ferrari)

O day after do GP do Bahrein, prova de abertura do Campeonato Mundial de F-1 2022, disputado domingo no circuito de Sakhir, amanheceu pintado de vermelho, consequência do domínio demonstrado pela Ferrari. Para além da pole position, volta mais rápida e vitória de Charles Leclerc (foto de abertura/Ferrari) e do segundo lugar de Carlos Sainz, três carros equipados com o motor 066/7 construído em Maranello.

Carlos Sainz largou em terceiro e terminou em segundo, garantindo a dobradinha da Scuderia (Ferrari)

Kevin Magnussen ficou em quinto lugar com seu Haas HF-22 enquanto Vatteri Bottas e o estreante Zhou Guanyu terminaram respectivamente em sexto e décimo. Tal resultado deixa claro onde está a grande vantagem da Scuderia frente a rivais de peso que decepcionaram. A Red Bull perdeu o segundo e o quarto lugares por problemas de alimentação de combustível e só por isso a Mercedes contabilizou um terceiro e um quarto lugares em um fim de semana atípico.

Resultado da Red Bull ficou muito aquém do esperado e expos erro de preparação da equipe (Red Bull)

Apesar de tudo isso e da forma como Charles Leclerc reagiu aos ataques de Max Verstappen, ainda é cedo para imaginar o clima de já ganhou que os fanáticos tifosi da Scuderia celebram. Primeiro: trata-se da primeira prova de uma temporada onde novo regulamento adotado trouxe muitas soluções inéditas. Segundo: além de novos carros, novos pneus e novos freios são elementos ainda pouco conhecidos e testados. Terceiro: a capacidade de reação das equipes mais experientes é surpreendente e mudanças não deverão demorar a acontecer.

Benedetto Vigna, CEO a Ferrari (esquerda) bancou a permanência de Binotto. Aposta deu certo (Ferrari)

Igualmente, é inegável o progresso e a recuperação demonstrados pela Scuderia após dois anos de dificuldades que envolveram a mudança do CEO da empresa, cargo ocupado por Benedetto Vigna, físico egresso da ST Microletronics, e a resiliência do suíço Mattia Binotto, que assumiu o posto ocupado por Maurizio Arrivabene entre 2015 e 2019. Binotto chegou como salvador da pátria, mas a demora em colocar a casa em ordem iniciou um processo de fritura no meio da temporada, algo interrompido por Vigna, que foi efetivado no cargo em junho passado. Tudo isso explica a postura de Leclerc e Sainz em exaltar o comprometimento e superação de todo o time considerado o mais rico da categoria e também conhecido por adotar algumas soluções discutíveis em momentos de crise. A última dessas soluções foi um motor declarado ilegal após um processo cujo veredito a Ferrari e a FIA mantiveram secreto.

Kevin Magnussen, desempregado até a semana passada, conseguiu o melhor resultado da história da Haas (Haas)

Surpresas e decepções não faltaram no Bahrein. No primeiro grupo incluem-se os resultados da Haas, Alfa Romeo e Alpine. No segundo a falha da Red Bull em testar apropriadamente o sistema de alimentação de combustível dos seus novos carros, as dificuldades da Mercedes – equipe que dominou o Campeonato dos Construtores nos últimos oito anos -, e o rendimento pífio da Aston Martin, McLaren e Williams.

Valtteri Bottas largou ao lado de Lewis Hamilton e terminou em sexto, apesar de alguns problemas (Alfa Romeo Orlen)

Haas e Alfa Romeo mostraram que a decisão de fazer uma temporada discreta em 2021 e focar no carro novo foi correta. Na equipe norte-americana, a volta de Kevin Magnussen foi uma escolha acertada para substituir o defenestrado Nikita Mazepin, piloto que ganhou seu lugar às custas do investimento de seu pai Dmitry na equipe. No campo da operação ítalo-suíça, a chegada de Valtteri Bottas como um reforço de luxo e a presença de Zhou Guanyu após um acordo com a Alpine foi igualmente outro ponto positivo.

Chinês Zhou Guangyu (24) estreou com um bom décimo lugar e mostrou caminho a Mick Schumacher (Alfa Romeo Orlen)

Nesse grupo espera-se que a Alpine seja o time que mais vai progredir ao longo do ano, cortesia do reforço de Otmar Szafnauer, a motivação do veterano Fernando Alonso e a resistência do equipamento A522-Renault RE22. Szafnauer tem experiência e vivência no meio, itens necessários para capitalizar o investimento e planejamento da marca francesa, que projeta disputar o título de Construtores e Pilotos em cinco anos. O japonês Yuki Tsunoda, que ficou em oitavo, entre Ocón e Alonso, foi o único sobrevivente da brigada Red Bull e terminou em oitavo, entre os dois pilotos do time francês.

Fernando Alonso (Esq) e Estebán Ocón souberam explorar a resistência do Alpine A522 (Alpine)

Entre os times que deixaram a desejar, a McLaren viveu essa experiência por problemas crônicos de refrigeração dos discos de freios. A Aston Martin parece pagar o preço de uma ampla reforma administrativa feita com o avião em pleno vôo e a Williams sofreu um revés em seu caminho rumo à reabilitação plena.

McLaren terá que trabalhar muito tornar o MCL 36 competitivo (McLaren)

 Siga-nos no Instagram

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.