F-1 desembarca no Brasil

F-1 desembarca no Brasil

Jovens kartistas marcarão presença no grid de domingo.

Wagner Gonzalez

06 de novembro de 2018 | 08h30

Categoria mais divulgada do automobilismo, a F-1 desembarca esta semana em Interlagos para a disputa do Grande Prêmio do Brasil, a penúltima etapa do Campeonato Mundial de 2018. Com o título já decidido em favor do inglês Lewis Hamilton – agora empatado com Juan Manuel Fangio, ambos com cinco títulos -, pode-se esperar disputas mais acirradas, já que nem Valteri Bottas, tampouco Kimi Räikkönen serão compelidos a fazer jogo de equipe para seus pares nas equipes Mercedes e Ferrari. Novidade do grid de domingo será a presença de kartistas das categorias mirim e cadete para cumprir o papel outrora preenchido por jovens escolhidas pela beleza e pelo sorriso.

Sainz faz sua penúltima corrida pela Renault. Em 2019 vai pilotar para a McLaren (Renault)

O espanhol Carlos Sainz, que faz sua penúltima corrida pela equipe Renault, diz que uma volta em Interlagos “é quase igual a uma montanha russa”; note que ele nem era nascido quando mudaram o traçado original par ao que existe hoje.  Outro que não conheceu Interlagos antigo e que está de partida de sua equipe atual é Rob Smedley, o engenheiro inglês que acompanhou Felipe Massa na Ferrari e na Williams, de onde se desliga ao final do ano.

Rob Smedley deixa a Williams no final do ano, oficialmente para passar mais tempo com a família (MSA)

Outrora um dos circuitos mais longos do mundo e com um traçado que demandava um acerto de chassi capaz de manter rendimento equilibrado em curvas em aclives e declives e de alta, média e baixa velocidades, Interlagos teve seus 8 km de percurso dilacerado em cerca de 50% em nome das demandas de TV e de mercado. O percurso que era completado em dois minutos e meio em 1978, a partir de 1994 passou a durar só 1’20″, tempo que este ano deverá ser reduzido em mais 10 segundos. Isso faz do Autódromo José Carlos Pace um dos percursos mais curtos do calendário: só ganha de Mônaco e do México. Nem por isso as surpresas durante as 71 voltas (ou 305,909 km) da competição estão imunes a vários tipos de surpresas: o tempo instável já ajudou a definir o título de 2008 na penúltima curva da última volta em favor de Lewis Hamilton e prejuízo de Felipe Massa, que disputavam o título.

A largada deste ano já garante uma novidade: a pedido dos organizadores da prova a Federação de Automobilismo de São Paulo selecionou 20 kartistas das categorias Mirim e Cadete para se postarem à frente de cada um dos 20 carros que irão ao grid. É uma decisão que incentiva jovens valores do esporte e economiza alguns trocados aos promotores do evento: contratar grid girls envolveria o pagamento de cachês, algo que os pilotos em início de carreira não receberão. Tal qual a mudança do traçado paulistano, sinal de tempos cada vez mais classificados como politicamente corretos…

Hamilton selou no México a conquista do Campeonato Mundial, o quinto de sua carreira (Mercedes)

Situado a cerca de 800 metros acima do nível do mar, Interlagos também demanda trabalho reforçado do que agora é chamado “unidade de potência” e antigamente era apenas “motor”. Atualmente o centenário motor a explosão funciona ligado a duas unidades de recuperação de energia, uma funcionando com esquema térmico e outra, cinética, o que caracteriza uma máquina híbrida, algo tão em moda no automóvel contemporâneo. Segundo a fabricante de freios Brembo, no asfalto paulistano a energia térmica é recuperada em três freadas fortes a cada volta: S do Senna (a mais forte, onde se reduz de 338 km/h para 101 km/h, segundo dados coletados no ano passado) curva Chico Landi , no final da reta oposta (341 km/h para 172 km/h) e na Junção (284 km/h para 132 m/h). É exatamente neste ponto que boa parte do 1,78 kWh ou 2,42 CV (índice que deverá ser  maior este ano) acumulado cada volta será usada para ajudar a superar a íngreme subida dos boxes e iniciar o trecho mais veloz do traçado. A força do turbo é ainda mais importante nesse trecho.

Os índices da Pirelli para aderência do asfalto, pressão aerodinâmica, abrasividade, desgaste e força lateral

Tal qual os motores, digo, unidades de potência,  chassis, aerodinâmica e pneus também evoluíram nos últimos 12 meses,, estes últimos  serão mais macios que os usados em 2017, embora mantenham a mesma denominação: médios (detalhes laterais em branco), macios (amarelo) e supermacios (vermelho). Para comparar, o macio de 2017 é o médio de 2018 e assim por diante. Entre os quatro montados no carro, o traseiro direito é o que sofre o maior desgaste e tanto quanto o consumo o tempo instável é outro grande vilão na hora de escolher os borrachudos para a corrida.  Se a chuva não vier da represa, como insiste aquele locutor, espere um único pit stop para troca de pneus, de supermacios para macios.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: