Spa, dura com pneus, nem tanto com os freios

Spa, dura com pneus, nem tanto com os freios

Na F-1 equipes e pilotos voltam a sonhar com o reinício da temporada.

Wagner Gonzalez

27 de agosto de 2019 | 11h28

A curva Eau Rouge é uma das mais desafiadoras do automobilismo mundial (Red Bull/Getty Images)

Um dos últimos circuitos clássicos da F-1, Spa-Francorchamps é um verdadeiro ícone na história da categoria e preserva muito da história do automobilismo de competição. Construído ao longo de estradas da região compreendida entre vilas e pequenas cidades da Floresta das Ardenhas, o traçado de 14,08 km usado no terceiro GP da história, disputado dia 18 de junho de 1950 e vencido por Juan Manuel Fangio (Alfa Romeo), foi drasticamente reduzido para 7.004 metros por questões comerciais e logísticas. Mesmo assim é um dos preferidos da maioria dos pilotos por causa de curvas tão desafiadoras como a que passa sobre o riacho Rouge, a antológica Eau Rouge (foto de abertura/Getty Images-Red Bull), e a mais jovem freada do ponto do ônibus.

Outra característica da região situada próxima à segunda cidade belga, Liège, é a existência de vários microclimas: não raramente o asfalto do extremo de Spa, onde ficam os boxes, está seco, as curvas próximas a Malmedy são banhadas por chuvas de intensidade variada e entre um aclive e outro pode-se passar por nevoeiros. Se serve de consolo para os poucos pilotos que não gostam deste circuito, caso de Lance Stroll, a corrida tem apenas 44 voltas…

Gráficos da Brembo mostram cargas aplicadas ao pedal de freio em várias curvas do circuito (Brembo)

O traçado belga é também um dos que permite atingir velocidade média acima dos 200 km/h, índice que poderia ser bem mais alto caso a chicane do Bus Stop, situado pouco antes da reta de largada, não existisse em nome da segurança. Nesse trecho acontece a freada mais forte de todo o circuito: segundo a Brembo, que fornece sistemas de freio para a maioria das equipes, para completar esse trecho com sucesso é preciso reduzir de 321 km/h para 91 km/h em apenas 128 metros e aplicando uma carga de 202 kg sobre o pedal do freio durante exatos 2”71,  desaceleração de 5,8G. Pelos sete quilômetros da pista os freios são usados com intensidade logo em seguida,  a curva 1, o cotovelo logo a linha de largada e palco de acidentes espetaculares (redução de 303 km/h para 85 kh/m). Os sete prontos de freada de Spa tornam o circuito um dos mais exigentes ao sistema de freios, ainda que sejam usados durante 13 segundos do 1’50 que é a referência básica de tempo para o traçado.

Embora seu traçado seja veloz, o trecho entre Les Combes (final da grande reta) e Stavelot (um dos mais baixos da pista) demanda boa pressão aerodinâmica nas várias curvas de 90oe de velocidade média ou alta. Essa combinação de longas retas, curvas de alta e freadas fortes acaba impondo cargas elevadas aos pneus, como explica Mario Isola, da Pirelli:

“Spa é um dos circuitos onde os pneus são submetidos aos mais altos níveis de estresse em toda a temporada. Por isso os compostos trazidos para a Bélgica este ano são os três mais duros da nossa linha de F-1, o que vai permitir aos pilotos impor um ritmo mais forte durante mais tempo e minimizar a preocupação com o desgaste.”

Pilotos estão seguros na Scuderia; falta de vitórias pode cortar cabeças ao final do ano (Ferrari)

Passadas três semanas de férias o clima no paddock é um coquetel de novidades e negociações. No primeiro caso destaca-se a mudança que envolveu Pierre Gasly, que foi tirado da Red Bull e colocado na Toro Rosso, e Alexander Albon, que fez o caminho inverso. Deixando de lado uma visão mais crua onde o francês pode acabar como a decepção do ano e Albon como a grande surpresa, analisa-se a convivência de pilotos recém-chegados à F-1 em um ambiente onde um provável futuro campeão mundial dá as cartas com base em seu estilo arrojado e agressivo – dentro e fora das pistas -, e é acobertado pela direção da sua equipe.

Lewis Hamilton inicia em Spa a arrancada final para conquistar seu sexto título mundial (Mercedes)

Na líder inconteste Mercedes Lewis Hamilton prepara seu ataque para conquistar seu sexto título mundial e Toto Wolf ganha rugas para amadurecer a decisão sobre o futuro de Valtteri Bottas em sua equipe. Um contra-ataque da Ferrari para renascer como segunda força da categoria e rival consistente dos alemães é outra atração da fase da temporada que começa este domingo. Na casa de Maranello os pilotos estão confirmados para 2020, mas as cabeças dos líderes nem tanto, situação perene na história da famosa Scuderia.

Tendências: