A dura realidade do aposentado no Brasil

williamcapita

19 de abril de 2013 | 11h32

Há duas semanas participei, pela segunda vez em minha vida, de uma reunião de condôminos. Moro em um edifício onde a maioria é idosa e, pela forma como enxergo o mundo, tomo-os como referencia para minha vida. Na reunião havia de tudo: dos mais exaltados aos mais dóceis e ponderados.

É curioso o fato de muitos vizinhos evitarem tais reuniões para não se indisporem com os demais, nos momentos de votações sobre temas pertinentes a todos. Entre debates acalorados e conversas paralelas (o que me irrita muito, pois fui educado para ouvir quando alguém esta se dirigindo a mim), o que me deixou mais entristecido foi constatar como o nosso país maltrata os aposentados.

O tema mais difícil foi tratado como se estivéssemos em uma guerra: aumento do condomínio. Não falávamos nada de absurdo. Queríamos e precisávamos corrigi-lo para não corrermos o risco de perder a capacidade de pagamento das contas das áreas comuns visto que muitas despesas aumentaram de um ano para o outro.

Sugeri índices como IPCA, IGP ou IGPM que corrigiam pela inflação mas quando souberam que em 2012 tivemos quase 7% ficaram indignados comigo. Logo me defendi que estava apenas informando qual percentual foi devorado de nosso poder de compra e pagamento. Para agravar a situação no dissídio dos funcionários prediais os trabalhadores obtiveram um aumento de quase 8%.

Ao final foi aprovado um aumento de 5% e a nova síndica se comprometeu a revisar as despesas no intuito de tentar encontrar uma maneira de economizar mais.

Não culpo as pessoas que estavam ali “revoltadas” com o aumento. Elas não tiveram uma compensação (reajuste) pelo que a inflação fez com o poder de compra real delas. Cheguei a temer pela aposentadoria (e isso que já aposentei em uma profissão) porque vislumbrei neles a realidade dos aposentados e pensionistas brasileiros. Realidade que mais de 80% da população estará exposta. A conta simplesmente não fecha.

Passado uma semana apareceu uma placa na grade do prédio: VENDE-SE 1 AP.

Estou certo que esse é o cruel destino daqueles que não tem seus salários reajustados anualmente pela inflação. Quantas placas mais terei que ver após cada reunião de condôminos?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.