Camacho: morte cerebral

Wilson Baldini Jr.

21 de novembro de 2012 | 15h28

O Dr. Ernesto Torres, diretor do centro médico do hospital, afirmou que o exame de eletroencefalograma revelou a morte cerebral do ex-boxeador Hector Macho Camacho, segundo o site boxingscene.com.

Camacho foi baleado ontem à noite em Bayamón, Porto Rico, após um batida de carro. Camacho recebeu um tiro no lado esquerdo da face, que atingiu seu ombro direito e depois duas vértebras. Adrian Mojica Moreno, amigo de Camacho que estava no Ford Mustang, também foi baleado e morreu no local.

Camacho está internado no Hospital Saint Paul, em Rio Piedras.

Hector Macho Camacho sofreu uma parada cardíaca pela manhã, que piorou ainda mais sua situação.

Camacho, de 50 anos, foi um lutador de frases e atitudes polêmicas. Sempre se apresentava com uma vestimenta escandalosa e gostava de tentar tirar a concentração dos adversários.

Ele lutou de 1980 a 2010. Canhoto, sem muita pegada, mas bastante técnico, Camacho somou 79 (38 nocautes), 6 derrotas e três empates.
Foi campeão dos superpenas, leves e meio-médios-ligeiros. Fez combates históricos contra Roberto Duran, Oscar De La Hoya, Sugar Ray Leonard, Felix Trinidad, Julio Cesar Chavez, Greg Haugen, Vinny Pazienza e Ray Boom Boom Mancini.

Fora dos ringues, Camacho teve problemas com drogas e álcool, além de ter sido preso e condenado a sete anos de prisão por um assalto a uma loja de informática, no Mississipi. Ele acabou cumprindo a pena em regime semiaberto. Ele também teve problemas de relacionamento com duas mulheres, que o acusaram de agressão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.