Esquiva não pensa em lutar no Brasil. Encara americano na estreia

Wilson Baldini Jr.

26 de janeiro de 2014 | 14h41

O planejamento da carreira de Esquiva Falcão é totalmente diferente do de seu irmão Yamaguchi. Enquanto Yamaguchi encarou sábado à noite em Santos um argentino invicto de 21 anos, com dez vitórias, Esquiva terá pela frente o norte-americano Paul Harness, de 31 anos, quatro vitórias, quatro derrotas e um empate, dia 15 de fevereiro, na Califórnia, na sua estreia no boxe profissional. Esquiva é dirigido pela Top Rank, enquanto Yamaguchi luta pela Golden Boy Promotion.

Harness não luta desde setembro de 2012, quando perdeu para Mike Lee, em Las Vegas, por decisão, após quatro roundes. Eu vi essa luta in loco é Harness só se defendeu.

Esquiva achou que Yamaguchi entrou muito nervoso para a luta contra Martin Rios, procurando “muito o nocaute”. O medalha de prata na Olimpíada de Londres achou que o juiz poderia ter tirado um ponto dos dois lutadores após a briga no fim do segundo assalto e só depois poderia optar pela desclassificação, caso os dois continuassem cometendo faltas.

Sergio Batarelli, conselheiro de Esquiva, disse que não pretende colocar lutas de seu pupilo no Brasil, pois o nível dos juízes é muito fraco. “Só lutaremos no Brasil quando tivermos certeza de que o juiz escolhido tenha condições de dirigir uma luta internacional”, afirmou Batarelli.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: