Minotauro: mais um bom baiano

Wilson Baldini Jr.

29 de agosto de 2009 | 03h01

Como jornalista já tive a oportunidade de entrevistar atletas baianos de muito bom papo. Popó, Vampeta, Edílson (dois ex-jogadores de futebol) foram alguns deles.

Esta semana tive o prazer de conversar por telefone com Minotauro a respeito de sua luta deste sábado contra Randy Couture, pelo UFC 102, que terá transmissão ao vivo pelo SporTV.

Que simpatia! Um show de humildade. Minotauro me disse que treinou três meses para o duelo, cujo vencedor poderá ter mais uma chance de conquistar o cinturão mundial. Ele aguarda uma luta em pé. “Não acho que o Couture queira uma luta no chão comigo.” O brasileiro afirmou estar preparado para encarar também a torcida, que será toda do norte-americano.

Minotauro disse que se sente preparado para se igualar a Anderson Silva e Lyoto Machida, atuais campeões mundiais do UFC. Ele ainda sonha com uma edição do UFC no Brasil. “O preconceito com quem faz luta no Brasil melhorou, mas ainda existe. Somos mais conhecidos pelos torcedores e mais respeitados pela mídia no Japão e nos EUA do que no Brasil.”

Minotauro aproveitou para dar um recado ao amigo Popó. “Você tem a minha idade. É muito cedo para parar. Volte a lutar e a ser campeão.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.