Os obstáculos de Pacquiao

Wilson Baldini Jr.

12 de novembro de 2010 | 23h52

Apontado como o melhor boxeador da atualidade, o filipino Manny Pacquiao ganhou vários motivos nos últimos dias para subir no ringue, hoje, em Dallas, para enfrentar o mexicano Antonio Margarito e demonstrar todo o seu potencial. Estará em jogo no luxuoso Cowboys Stadium, diante de mais de 50 mil espectadores, o título mundial dos médios-ligeiros, do Conselho Mundial de Boxe. Pacquiao busca o oitavo cinturão na carreira, que começou em 1995. O duelo vai ser transmitido pelo Canal Combate, da Globosat, a partir da meia noite.

Eleito em junho para compor o Congresso das Filipinas, Pacman passou mais tempo em programas de TV nos Estados Unidos do que no ginásio, o que fez Freddie Roach, seu treinador, a dizer que esta estaria sendo a sua pior preparação para uma luta.

O fato de Margarito ser mais alto (1,80 metro contra 1,69m) e ter maior envergadura (1,85m contra 1,70m) também foi destacado pelos críticos. Por último, o combate se tornou pessoal, após Margarito gravar um vídeo, no qual falava com desprezo da doença do treinador de Pacquiao. Roach sofre de Mal de Parkinson.

“Sempre estou pronto para lutar. Não existe nenhum tipo de distração que fará eu perder a concentração para um duelo”, disse o filipino, que soma 51 vitórias (38 nocautes), três derrotas e um empate. “O estilo de Margarito se encaixa com o meu. Vou pegá-lo com a velocidade de meus uppers (ganchos de baixo para cima)”, continuou o pugilista, de 31 anos, invicto desde 2005. “Sobre o que Margarito fez para Roach, minha resposta será no ringue”, ameaçou Pacquiao, com uma bolsa garantida de US$ 15 milhões, mas que poderá atingir US$ 25 milhões conforme a venda de ingressos e no sistema pay-per-view.

Margarito, o Tornado de Tijuana, pediu desculpas publicamente, não aceitas por Pacquiao. E fez elogios ao rival. “Sua velocidade é incrível. Seu estilo é único no boxe. Mas seu tamanho é pequeno. Acho que tenho muitas coisas que me favorecem”, afirmou o mexicano, de 32 anos, que vai receber US$ 3 milhões.

O duelo com Pacquiao serve para reascender a carreira de Margarito. Em janeiro do ano passado, após a derrota por nocaute técnico no nono assalto para o norte-americano Shane Mosley, foi comprovado que um produto semelhante ao gesso fora colocado em suas mãos. Ele foi punido e só voltou a lutar porque conseguiu licença no estado do Texas. As comissões de boxe de Nevada e Califórnia não aceitaram realizar sua luta.

Muito do reinado de Manny Pacquiao foi construído em vitórias sobre mexicanos. Foram 11 duelos, com nove vitórias, um empate e uma derrota. Seus maiores rivais foram Erik Morales (três vezes), Marcos Antonio Barrera e Juan Manuel Marquez (duas vezes cada).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.