Piora situação de Camacho

Wilson Baldini Jr.

21 de novembro de 2012 | 12h28

Além de todos os problemas, Hector Macho Camacho sofreu uma parada cardíaca pela manhã e, segundo os médicos que o atenderam, sua “atividade cerebral está bastante baixa”. As últimas informações deram que foi apenas um tiro que acertou Camacho. Ainda não foi divulgada a identidade da pessoa, que estava com ele e que morreu após também ser baleada.

Camacho, de 50 anos, foi um lutador de frases e atitudes polêmicas. Sempre se apresentava com uma vestimenta escandalosa e gostava de tentar tirar a concentração dos adversários.

Ele lutou de 1980 a 2010. Canhoto, sem muita pegada, mas bastante técnico, Camacho somou 79 (38 nocautes), 6 derrotas e três empates.

Foi campeão dos superpenas, leves e meio-médios-ligeiros. Fez combates históricos contra Roberto Duran, Oscar De La Hoya, Sugar Ray Leonard, Felix Trinidad, Julio Cesar Chavez, Greg Haugen, Vinny Pazienza e Ray Boom Boom Mancini.

Fora dos ringues, Camacho teve problemas com drogas e álcool, além de ter sido preso e condenado a sete anos de prisão por um assalto a uma loja de informática, no Mississipi. Ele acabou cumprindo a pena em regime semiaberto. Ele também teve problemas de relacionamento com duas mulheres, que o acusaram de agressão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.