Ubiratan “Sugar” Brasil

Wilson Baldini Jr.

20 de junho de 2011 | 10h02

Meu pai sempre dizia: “Como escreve bem o Ubiratan Brasil!” E o velho, que lia sempre o Caderno 2, estava certo. Meu amigo Bira é um dos poucos jornalistas que conseguem escrever maravilhosamente bem de todos os assuntos. De panela de pressão a turbina de avião. Dá até inveja.

Bira escreve como Sugar Ray Robinson lutava: com classe, leveza e muita competência.

Mais um grande texto do Bira está no Caderno 2 de quarta-feira, dia 15, quando ele fala do escritor James Ellroy. O título é: “Boxeador da palavra.”

“James Ellroy golpeia com as palavras. Ler seus livros é como entrar no ringue: ele ocupa bem o quadrilátero, “jabeia” com frases curtas e, quando você acredita ter assimiliado os golpes, Ellroy vem com um cruzado nocauteador ao descrever alguma sordidez.” É desta forma que Bira começa seu texto sobre o livro Sangue Errante, da editora Record.

Pena que o Bira não escreve de boxe. A nobre arte seria ainda mais nobre. Mas talvez eu não teria emprego.

Parabéns Ubiratan “Sugar” Brasil

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: