Se lutar, não case

Wilson Baldini Jr.

27 de outubro de 2009 | 00h33

O casamento não é muito bom para o boxeador. Talvez, apenas Adrian, a mulher do Rocky Balboa, tenha sido uma “fiel” companheira. Sempre com uma palavra de apoio para levantar o ânimo do nosso herói das telonas.

Barbara, a mulher de Rocky Marciano, impediu que o peso pesado voltasse à ativa para receber US$ 3 milhões, em 1956, para enfrentar Floyd Patterson. Ela não queria ver mais seu marido trocar socos em cima do ringue.

Realmente, não deve ser fácil ver alguém que se ama recebendo pancada por até 12 longos roundes. A mulher do polonês Andrew Golota disse que aconselhou o marido a não enfrentar o compatriota Tomasz Adamek.

Golota, que nunca teve muito controle emocional, deve ter subido para o ringue já derrotado, apesar dos quase 20 quilos de vantagem. Diante de mais de 17 mil torcedores, com uma audiência de mais de 8 milhões de espectadores na Polônia, Adamek venceu por nocaute no quinto assalto.

Por isso, se você é um jovem lutador: primeiro desça do ringue e depois suba ao altar.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: