Uma má escolha para o boxe

Uma má escolha para o boxe

Wilson Baldini Jr.

20 de maio de 2009 | 08h50

Odlanier Solis com a medalha de ouro de Atenas - Steve Marcus/Reuters - 28/8/2004 Odlanier Solis escolheu abandonar Cuba, em 2006, e ir tentar a carreira profissional na Alemanha. Deixou para trás a responsabilidade de substituir lendas como Felix Savón e Teófilo Stevenson. Chegou a ser campeão olímpico em Atenas/2004, mas optou por encerrar sua promissora carreira amadora.

Como profissional já disputou 13 lutas, venceu todas (9 por nocaute). “La Sombra”, como é conhecido, ganhou peso (109 quilos), perdeu velocidade e suas fracas atuações contra os inexpressivos Kevin Burnett e Chauncy Welliver (vitórias por nocaute técnico no oitavo e nono assalto, (respectivamente) o fizeram a recorrer ao técnico cubano Pedro Luis Dias Benitez com quem trabalhou no início de carreira.

Com uma contusão na mão, Solis teve seu duelo contra Fres Oquendo – que seria o mais interessante de seu cartel até agora – adiado. Uma pena. Mas ao que tudo indica Solis não deverá ter entre os profissionais o sucesso garantido que teria entre os amadores.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: