Uma triste história

Wilson Baldini Jr.

24 de junho de 2009 | 16h01

Um homem negro de quase dois metros de altura e 150 quilos chama a atenção na fila de um supermercado de East Rutherford, em Nova Jersey. Nas mãos, a cesta de compras com um cinto de couro de US$ 2,00 e um vidro de xampu de US$ 1,00. Outro comprador próximo grita. “O campeão está aqui. Ele derrotou Evander Holyfield duas vezes em três lutas. Ele é Riddick Bowe.” Duas mulheres se aproximam. Ele abre o sorriso repleto de carisma, que marcou o auge de sua carreira entre 1990 e 1996. Uma delas pergunta se ainda luta. Aos 41 anos, Bowe responde que lutou em 12 de dezembro – vitória sobre o desconhecido alemão Gene Pukall, por pontos, após oito assaltos.

Após uma rápida conversa, o ex-campeão dos pesos pesados (Conselho Mundial, Associação Mundial e Federação Internacional de Boxe) tenta vender uma foto sua autografada dos bons tempos. Elas aceitam e pagam US$ 35,00. Ele também oferece um par de luvas por US$ 65,00, mas elas recusam a oferta. Sem jeito, Bowe deixa o estabelecimento. O homem volta a elogiar o ídolo. “Esse cara foi bom demais. Ganhou muito dinheiro, mas perdeu tudo.” Ele está certo. Bowe foi prata em Seul/1988, quando perdeu o ouro para Lennox Lewis.

Em 1989, se profissionalizou e ficou conhecido como “Big Daddy” por causa das fotos estampadas de seus filhos no roupão que usava antes das lutas. Fez duelos históricos, principalmente contra Holyfield (ganhou dois e perdeu um). Bateu em Pinklon Thomas, Tyrell Biggs, Tony Tubbs, Bruce Seldon e Michael Dokes.

Seu carisma chegou a ser comparado ao de Muhammad Ali. Bowe não soube lidar com a fama. Exagerou ao jogar o cinturão do CMB literalmente no lixo por se negar a enfrentar Lennox Lewis, em 1992, e perdeu credibilidade. Duas lutas contra Andrew Golota o desequilibraram mentalmente. Em ambas, o polonês foi desclassificado por golpear abaixo da cintura. No primeiro duelo, em Nova York, a confusão foi enorme. Os espectadores invadiram o ringue para agredir Golota. Bowe decidiu encerrar a carreira e se alistou na Marinha. Ficou poucos dias. Não aguentou a disciplina. Ficou preso por 18 meses, após agredir sua esposa e tentar raptar os cinco filhos. Ganhou US$ 15 milhões, mas agora sobe ao ringue por US$ 30 mil e vende fotos e luvas para sobreviver. “Voltarei a ser campeão.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: