Adriana Santos encontra seu espaço

A bela lateral Adriana Santos quer ser mais do que musa do basquete. Aos 30 anos, a jogadora, que foi a eterna reserva de Hortência - e depois de Paula - na seleção brasileira, finalmente vem encontrando espaço para mostrar seu talento individual. Depois de participar da conquista da medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Sydney, no ano passado, Adriana, que trocou Jundiaí por Santo André, está de bem com a vida no novo clube. A ala marcou 31 pontos para ajudar seu time a quebrar a invencibilidade do Vasco (88 a 80) na sexta rodada do Campeonato Nacional Feminino, segunda-feira.Santo André é a única equipe invicta e assumiu a liderança do torneio, com 12 pontos ganhos em seis vitórias. A cestinha da partida foi a ala Janeth, do Vasco, com 33 pontos, outra estrela do basquete feminino brasileiro.Adriana aparece como a segunda melhor cestinha do Nacional, com média de 25,7 pontos por jogo, e a segunda em assistências, com 5,3. "Voltar para Santo André me fez muito bem. Atravesso um momento em que consigo manter a estabilidade." Adriana ainda elogiou a técnica Laís Elena Aranha, dizendo que se sente "muita solta e tranqüila" para administrar o jogo, ajudando as mais novas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.