Ala Micaela sofre lesão, mas não é problema para Pequim

Jogadora brasileira sofre contusão na região posterior da coxa direita e deve se recuperar em duas semanas

Redação,

17 de julho de 2008 | 18h28

A ala Micaela Martins sofreu uma lesão na região posterior da coxa direita durante o treino de terça-feira da seleção brasileira feminina de basquete no Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa, em São Paulo. No mesmo dia, a jogadora foi submetida a uma ressonância magnética. O resultado saiu nesta quinta-feira e foi constatado ser uma lesão de pouca gravidade."A Micaela teve uma contusão muscular na coxa. O exame mostrou que é uma lesão leve, o que significa que o tempo de recuperação será por volta de duas semanas. Durante esse período, a atleta deve ficar em repouso, tomando antiinflamatório e fazendo o tratamento de fisioterapia, explicou a médica Karina Levy, que está acompanhando a seleção.Já o técnico Paulo Bassul comemorou o resultado positivo do exame. "A Micaela é fundamental para nós. Além de excelente jogadora, ela está numa fase fantástica. Duas semanas de recuperação é um prazo totalmente administrável. Ela está muito bem fisicamente e tenho certeza que vai chegar cem por cento em Pequim. A previsão é contarmos com ela para os treinos na Austrália", assinalou.A ala Micaela, por sua vez, mostrou tranqüilidade. "Sinto um pouco de dor se eu andar muito rápido, como se fosse uma cãibra forte. Vou repousar, seguir as instruções médicas e fazer todo o tratamento necessário para ficar zerada novamente. Não será isso que vai me tirar de Pequim".A seleção brasileira feminina de basquete faz um amistoso contra Santo André nesta sexta-feira (18h de Brasília), no ginásio do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa, em São Paulo.Antes de embarcarem para a China, as brasileiras fazem um período de aclimatação na Austrália, onde disputam dois amistosos contra o time da casa. Nas Olimpíadas, o Brasil está no grupo A e terá como adversários na primeira fase a Coréia (dia 9 de agosto), Austrália (11), Letônia (13), Rússia (15) e Bielorrússia (17). No grupo B estão China, Estados Unidos, Espanha, Máli, Nova Zelândia e República Tcheca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.