Edgar Su/Reuters
Edgar Su/Reuters

Análise: veteranos da seleção brasileira de basquete mostram que podem decidir

Anderson Varejão, Alex Garcia, Leandro Barbosa e Marquinhos brilham em vitória sobre a Grécia no Mundial

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2019 | 14h37

Anderson Varejão, Alex Garcia, Leandro Barbosa, Marquinhos. Os veteranos da seleção brasileira de basquete foram destaque na vitória sobre a Grécia por 79 a 78 e mostraram para os desavisados o real motivo de estarem mais uma vez em um mundial defendendo o Brasil. Claro que a renovação da modalidade no País é lenta, mas esses nomes só estão no grupo porque ainda conseguem jogar em alto nível.

Foram eles que assumiram a responsabilidade nos momentos de maior dificuldade, principalmente quando o Brasil estava com uma desvantagem de 17 pontos. Ofensivamente, todos eles passaram dos dois dígitos de pontuação - Alex Garcia (13), Anderson Varejão (22), Marquinhos (15) e Leandrinho (13) - mas o grande destaque fica pelo lado defensivo. 

Varejão, com 36 anos, e Alex, 39, foram implacáveis no momento de defender Giannis Antetokounmpo. O astro do Milwaukee Bucks e eleito melhor jogador da última temporada da NBA ficou limitado aos 13 pontos. Considerado um atleta completo, por conseguir jogar na armação e dentro do garrafão, o ala não conseguiu ser dominante como é atuando na principal liga de basquete do mundo.

O resultado positivo nesta terça-feira, em Nanquim, na China, além de garantir o segundo triunfo da equipe pelo Grupo F, também coloca o Brasil na próxima fase de forma antecipada. Agora, o técnico Aleksandar Petrovic poderá diminuir um pouco os minutos de seus jogadores mais experientes contra Montenegro.

AULA NA PRÁTICA

Dos jogadores mais jovens do grupo, o principal destaque fica por conta de Bruno Caboclo. Depois de se recusar a entrar em uma partida da Copa América de 2017 e ser excluído da competição por indisciplina pela comissão técnica, o ala parece estar mais maduro. Sem afobação, conseguiu espaçar a quadra no ataque e fez um bom trabalho na defesa quando foi exigido contra Giannis Antetokounmpo. Sempre sendo orientado pelos mais velhos.

Já o outro grande nome do futuro do basquete nacional quase entregou a vitória no fim. Didi entrou nos segundos finais do jogo, no lugar de Rafa Luz, que tinha cometido a quinta falta, e cometeu um falta desnecessária na defesa da Grécia. Para a sorte do ala e do Brasil, Kostas Sloukas converteu apenas dois dos três lances livres que teve direito e não levou o confronto para a prorrogação. 

No fim do jogo, enquanto os jogadores comemoram a vitória, uma imagem chamou a atenção. Com 39 anos, Alex Garcia apareceu consolando o jovem de apenas 20 pela besteira que fez e quase custou o resultado. Por isso a experiência desses atletas é importante para a seleção. Eles já passaram por muitas coisas com a camisa verde e amarela, principalmente por duras derrotas, e estão prontos para ensinar os mais jovens enquanto ainda tem gana e garra para jogar em alto nível.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.