Anderson Varejão diz que Brasil brigará por medalha no Mundial

Pivô revela o otimismo que impera na seleção brasileira para a competição da Espanha, com início marcado para este sábado

Estadão Conteúdo

27 de agosto de 2014 | 18h37

Às vésperas para o início do Mundial da Espanha, o otimismo toma conta da seleção brasileira masculina de basquete. Jogadores e comissão técnica não escondem a expectativa para uma grande campanha no torneio, que começa neste sábado com o duelo diante da França. Para o pivô Anderson Varejão, por exemplo, a previsão é de briga para ficar entre os três primeiros colocados.

"Um fator muito importante que fico pensando sempre é que pela segunda vez vamos ter nossa equipe completa em uma grande competição. Quando estivemos todos juntos conseguimos bons resultados, como o quinto lugar na Olimpíada de Londres, em 2012. Por isso, aqui na Espanha, existe uma grande possibilidade de medalha. E quando olho para nosso time vejo que existe uma grande vontade de alcançarmos. É a nossa oportunidade de conquistar algo mais importante", declarou.

De fato, a seleção brasileira quase sempre se viu desfalcada, principalmente pelos jogadores da NBA, fosse por lesão, por cansaço ou pela não liberação de suas equipes. Varejão talvez seja o único que sempre se colocou à disposição, tendo ficado de fora somente por problemas físicos. Esta trajetória com as cores brasileiras já dura desde o Sul-Americano do Chile em 2001, quando o pivô fez sua estreia.

"É muito bom você chegar aos 31 anos - completo 32 no dia 28 de setembro -, olhar para trás e ver que já esteve 13 anos defendendo a seleção brasileira. Para mim é um motivo de orgulho porque um dia terei o prazer de mostrar isso aos meus filhos no futuro. Tudo foi compensador. Os momentos de alegrias e todas as conquistas tiveram seus valores. Mas para mim ser convocado tem um valor maior ainda", disse.

Na Espanha, o pivô vive a expectativa de brigar pelo pódio e, quem sabe, até pelo título. Para isso, sabe que um bom resultado logo na estreia contra os franceses seria fundamental. "Com certeza, o campeonato vai ser muito equilibrado. Mas precisamos impor nosso jogo desde o início e fazermos tudo que treinamos para que as coisas saiam bem", avaliou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.