Harry How/AFP
Harry How/AFP

Antetokounmpo parece estar ainda melhor no Milwaukee Bucks

Grego aperfeiçoou visão de jogo e capacidade de criação para os companheiros

Scott Cacciola, The New York Times

11 de novembro de 2019 | 11h00

O Los Angeles Clippers ocupou uma boa arte dos holofotes da NBA nesta temporada. Eles têm dois novos astros e esperanças de conquistar o campeonato. Seu departamento de marketing gastou tempo e energia consideráveis controlando o Los Angeles Lakers. É uma grande notícia quando Kawhi Leonard joga e são notícias ainda maiores quando ele não joga, e é aí que você sabe que há um sério toque de classe como organização.

Leonard descansou na noite da última quarta-feira como parte de seu programa personalizado de “gerenciamento de carga”, por isso foi um espectador do jogo do Clippers contra o Milwaukee Bucks. Enquanto muitas outras equipes, incluindo o Clippers, passaram por reformas chamativas, o Bucks apenas mexeu em sua escala, pois manteve seu núcleo intacto.

Giannis Antetokounmpo, é claro, continua sendo a figura central em tudo o que o o Bucks faz, e ele apresentou uma lembrança de sua grandeza – caso alguém realmente precisasse de uma –, com 38 pontos, 16 rebotes e nove assistências na vitória por 129 a124 de Milwaukee na quarta-feira.

Nada disso sugere que o Bucks não tenha mudado durante a entressafra, porque eles mudaram – começando com Antetokounmpo, que pode estar melhor do que nunca, uma perspectiva aterrorizante para o restante da liga depois que ele ganhou prêmio de MVP na última temporada. O mais aparente são seus passes e a refinada organização de jogo, que podem ser tomados como um sinal de maior confiança no elenco.

Antetokounmpo foi abastecido pela memória da derrota do Milwaukee para o Toronto Raptors nas finais da Conferência Leste. Pat Connaughton, companheiro de equipe, disse que Antetokounmpo se afastou dessa experiência com uma compreensão mais precisa do que é preciso para vencer no mais alto nível.

"É sobre o lado mental, sobre aprender como as equipes o protegem", disse Connaughton. "Trata-se de ver o que o Toronto fez contra nós nos playoffs e nos impediu de alcançar nosso objetivo. Acho que ele está levando isso tudo em consideração. Ele está vendo: 'Ei, há oportunidades para envolver meus colegas de equipe. E quando fizer isso, criarei ainda mais oportunidades para fazer o que faço de melhor.'" Antetokounmpo fez o melhor que pôde contra o Clippers, um time com poucas mãos sem Leonard.

"Toda organização tem sua própria maneira de operar", disse Antetokounmpo. "Obviamente, fiquei empolgado por jogar contra um dos melhores jogadores da liga. Isso deixa você empolgado, tira o melhor de você." Ele acrescentou: "Mas sim, estou empolgado em vê-lo no futuro".

Antetokounmpo tem média de 29 pontos, 14,3 rebotes e 7,6 assistências. Se houver uma falha no seu jogo, são os arremessos de três pontos. "É divertido", disse Antetokounmpo. "Todo mundo toca a bola. Todo mundo começa a lançar a bola."

Quando o técnico do Bucks, Mike Budenholzer, era novo no time na última temporada, o que mais o surpreendeu com Antetokounmpo foi sua visão e capacidade de criar para os companheiros de equipe. “Obviamente, ele agora está levando a outro nível”, disse Budenholzer, cuja equipe se beneficiou das adições de Kyle Korver e Wesley Matthews. “Felizmente, temos mais lances ao seu redor e melhor espaçamento. Ele está crescendo como jogador que faz passes e estamos aprendendo quando e onde as pessoas precisam estar perto dele.”

Budenholzer disse que falou bastante com Antetokounmpo durante o verão, e a maioria de suas conversas se concentrou em como o Antetokounmpo poderia melhorar como jogador. Como o Milwaukee poderia melhorar como equipe?

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Ele está crescendo como jogador que faz passes e estamos aprendendo quando e onde as pessoas precisam estar perto dele
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Mike Budenholzer, técnico do Milwaukee Bucks

Antetokounmpo, 24 anos, não acha que chegou perto de atingir seu teto, o que é uma notícia fantástica para o Bucks, que o tem sob contrato até a próxima temporada. Mas ele também é viciado em trabalho, o que pode causar seu próprio conjunto de desafios. A equipe o alertou que ele não precisa de basquete o tempo todo.

“Uma das coisas importantes, à medida que você cresce nesta liga, especialmente para um indivíduo da sua estatura, é entender a qualidade do trabalho versus a quantidade de trabalho”, disse Connaughton. “E isso não quer dizer que a qualidade não esteja lá. Mas acho que, à medida que ela é desenvolvida, ele fez um bom trabalho ao equilibrar o desejo de estar sempre no chão com a maturidade para saber que ele tem à frente uma carreira de 15 a 20 anos. Isso é muito tempo, e a manutenção do corpo é tão importante quanto o trabalho que ele está realizando.”

Durante os jogos, Budenholzer monitora os minutos de Antetokounmpo. Na prática, o Bucks tenta ser o mais eficiente possível, minimizando o excesso de contato. Eles também têm “dias do corpo”, que são dedicados à manutenção física: levantamento de peso, banhos frios, terapia, massagens. A quadra está fora dos limites, sem exceções. “Somos muito conscientes sobre como o mantemos saudável e o mantemos jogando bem”, disse Budenholzer.

O Bucks quer ter cuidado preventivo com todos os seus jogadores, mas principalmente com Antetokounmpo. Em sua sétima temporada, Antetokounmpo está apoiando seus companheiros de equipe mais do que nunca, passando a bola e dividindo a carga. Ele parece estar se saindo muito bem. /TRADUÇÃO DE CLAUDIA BOZZO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.