Tannen Maury/EFE
Tannen Maury/EFE

Aos 24 anos, Giannis Antetokounmpo encanta a cada jogo na NBA

Ala, que nasceu em Atenas mas é filho de imigrantes nigerianos, levou os Bucks ao topo da liga

Scott Cacciola / THE NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2019 | 04h30

A evolução de Giannis Antetokounmpo para se tornar uma estrela global vem ocorrendo há seis temporadas na NBA. Essa evolução se manifesta nas suas enterradas, nos arremessos bloqueados do lado fraco que desafiam a lógica, ou nos passes em torno do defensor até um arremesso sem marcação, ou os dribles cruzados em cima dos defensores.

Antetokounmpo, 24 anos, grego nascido em Atenas, filho de imigrantes nigerianos, transformou o sublime em mera rotina. Líder geral na Conferência Leste na NBA, o Milwaukee Bucks conta com seu talento para destroçar os adversários – até agora são 51 vitórias e apenas 17 derrotas, a melhor campanha da competição. “Tudo o que você vê e ouve é como ele trabalha duro e o quão bom deseja ser”, diz o técnico do Lakers, Luke Walton, que sofreu nas mãos do ala no último dia 8. 

Os Bucks melhoraram seu recordo de melhor da liga depois de derrotar o Lakers no Staples Center. Antetokounmpo, que vinha sofrendo com dores no joelho direito, terminou com 16 pontos e 15 rebotes na vitória do Bucks por 131 a 120, o que foi qualificado como um esforço discreto para ele. Mas ele teve seus momentos.

A equipe está se preparando para os jogos dos playoffs com Antetokounmpo como seu principal jogador.  Ele registra médias de 27 pontos, conseguiu 12,6 rebotes e deu 5,9 assistências com 57,9% de acerto dos arremessos em quadra. “Quando começou a temporada sabíamos que tínhamos algo especial – uma grande equipe”, disse ele. “Mas para ser honesto, jamais pensei que teríamos o melhor time. Mas trabalhamos muito para isso e vamos mostrar isto em cada jogo e tentar vencer todos os jogos”.

Não existe nenhuma comparação histórica adequada para Antetokounmpo porque a liga jamais viu alguém como ele – alto e forte demais, muito rápido e dotado, um ala-pivô de dois metros de altura que consegue defender os armadores de um lado e assumir uma posição ofensiva entre a “foul line” (linha de falta) e a cesta. 

Para Pat Connaughton, ala reserva dos Bucks, é um híbrido de Kevin Durant, do Golden State Warriors, e LeBron James, do Lakers.

Indagado a respeito, Mike Buddenholzer, técnico dos Bucks, tratou de elogiar de forma contundente Antetokounmpo e afirmou que ele tem tudo para ser o jogador mais valioso da NBA. “Antetokounmpo é tão dinâmico no ataque, que isto tende a fazer as pessoas deixarem de lado tudo o mais que ele faz. Ele teve três tocos contra o Lakers”, salientou.

Antetokounmpo não vai criar manchetes com prognósticos ousados – depois da vitória na sexta-feira ele repetiu o mantra conhecido do “um pouco mais a cada dia” e continuar a “trabalhar duro” – mas o Bucks precisa pensar grande. 

Poucas pessoas achavam que o Milwaukee Bucks se tornaria assim bom tão rápido, mas todos diziam a mesma coisa sobre Antetokounmpo quando ele entrou na liga aos 19 anos. De repente, o futuro é hoje.

Tudo o que sabemos sobre:
NBA [National Basketball Association]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.